“Mateus, 10”, premiado com o Shell de Melhor Autor no Sesc Copacabana

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 fevereiro, 2017 11:04

“Mateus, 10”, premiado com o Shell de Melhor Autor no Sesc Copacabana

Vencedor do Prêmio Shell de Melhor Autor, indicado ao de Melhor Ator e eleito o Melhor Espetáculo em Espaço Alternativo pelo Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro, “Mateus, 10” encerra a ocupação do grupo paulistano Tablado de Arruar no Sesc Copacabana. Com dramaturgia de Alexandre Dal Farra, que divide a direção com João Otávio, a peça acompanha a obsessão de um pastor pelo texto bíblico que dá nome à montagem e seu consequente desejo de formar uma nova doutrina religiosa.

“Mateus, 10”, estreado em 2011 em São Paulo e anterior à Trilogia Abnegação, é o trabalho que consolida o projeto de pesquisa do Tablado de Arruar para a criação de uma dramaturgia e interpretação que aliam a pesquisa de linguagem ao pensamento político e social. Com referências a “Bartleby, o escriturário”, de Herman Melville, e “Crime e Castigo”, de Dostoiévski, a peça levanta questões como a culpa, a alienação e a fé por meio da trajetória de um pastor que leva a sério demais o que ele mesmo prega. Na montagem, poucos elementos cênicos valorizam a interpretação dos atores e o texto como principais motores da encenação.

Otávio é um pastor em ascensão que entra em crise com sua atividade, quando se apega de forma quase obsessiva a uma passagem da bíblia em que Jesus renega sua família, mãe e irmãos, em função dos seus seguidores e discípulos. A partir de então, Otávio passa a desenvolver e a pregar uma nova doutrina. O desejo obsessivo de negar o conhecido em função do novo, a qualquer custo, o leva à beira da loucura. Para instaurar uma nova ordem ele precisa de um fato que mude os rumos da sua vida, e é a partir dessa atitude que a trama se desenrola.

No segundo ato, Carlos, marido de Thereza, figura ambígua que invade a vida de Otávio, promove um churrasco em sua casa, onde os fatos virão à tona sem que tomem o rumo esperado pelo pastor. Otávio tenta confessar seu crime e não é aceito pelos outros. Ele acaba por ser expulso da igreja; no entanto, nenhuma nova ordem se instaura. “Nada se transforma, não por conta de uma força inexplicável, mas porque simplesmente algumas pessoas não permitem. O novo, seja em um sentido positivo ou negativo, simplesmente não é aceito”, conclui Dal Farra.

“Em ‘Mateus, 10’, acompanhamos muito de perto, quase no meio da cena, os ambientes, as casas pobres e a Igreja evangélica, onde o pastor Otávio lança sua rede para captura das almas e simultaneamente perde a própria, corroída por dúvidas e fragmentos de verdade, com os quais ele simplesmente não pode lidar. O espetáculo também demonstra que é possível falar de nosso tempo com os tons vivos da língua portuguesa e com a simples inteligência de direção e atuação, em oposição a todo movimento em que o teatro mimetiza, de modo farsesco, a sua própria ‘sociedade do espetáculo’” – trecho de texto de Tales Ab’Sáber, psicanalista e professor de Filosofia da Psicanálise da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).

SERVIÇO
“MATEUS, 10”
Tablado de Arruar
Temporada: de 09 a 12 de fevereiro – de quinta a sábado, às 21h, e domingo, às 20h
Sesc Copacabana
Endereço:
Rua Domingos Ferreira 160, Copacabana
Tel.: (21) 2547-0156
Duração: 120 minutos. Lotação: 50 lugares. Classificação etária: 16 anos
Ingressos: R$ 25,00 (inteira), R$ 12 (meia) e R$ 6 (associado Sesc)
Bilheteria: aberta de terça a sábado das 13h às 21h e domingo das 13h às 20h

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 fevereiro, 2017 11:04


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

MIB: Homens de Preto

Facebook

Kardec