Espetáculo Desilusão das Dez Horas, com direção de André Garolli, reestreia no Viga Espaço Cênico

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 agosto, 2016 13:06

Espetáculo Desilusão das Dez Horas, com direção de André Garolli, reestreia no Viga Espaço Cênico

Inspirado no poema homônimo do poeta americano Wallace Stevens, o espetáculo DESILUSÃO DAS DEZ HORAS reestreia dia 3 de setembro, sábado, às 21h, no VIGA ESPAÇO CÊNICO. Texto inédito de Alberto Guiraldelli, peça é um retrato poético atemporal de uma família que vive à sombra da ausência do pai e dos maridos, marinheiros que passam semanas ou até meses em alto mar. Com direção de André Garolli, montagem reúne os atores Fernando Vieira, Mônica Granndo, Marcela Grandolpho e Alberto Guiraldelli.

Em DESILUSÃO DAS DEZ HORAS, habitados pela sombra da ausência de maridos e pais que ganham a vida como marinheiros em longas e constante viagens, uma família vive o conflito entre seus sonhos e desejos e a realidade que os cerca. O filho caçula vive de reconstruir a imagem do pai através de uma carta cujas palavras parecem sempre mudar, enquanto que sua irmã se sente condenada a cometer os mesmos erros da mãe que vive uma furtiva ligação com um velho marinheiro aposentado.

“A fagulha inspiradora para escrever o texto veio do poema homônimo de Wallace Stevens, que faz uma referência obliqua ao episódio bíblico em que as filhas de Ló embriagam o próprio pai para deitarem-se com ele. Procurei construir uma arquitetura dramática que contemplasse o poético, o fabular e o atemporal. Queria, também, transportar as pessoas para um outro tempo que não o nosso. Na peça nada é apressado e não há frieza ou cinismo” afirma o autor Alberto Guiraldelli.

A encenação busca, ao mesmo tempo que desdobra a história das personagens, estimular os sentidos da plateia por meio dos sons, dos aromas, das sombras e luzes que se inter-relacionam no palco. “O espetáculo foi construído através da sutileza e da nuance, mais do que o confronto aberto. Um jogo de sedução e encantamento, o conflito entre desejo e a realidade que se impõe, sem os ruídos da nossa vida cotidiana, mas enredada na ancestralidade de nossas histórias”, declara a atriz Mônica Granndo.

A cenografia, de Fábio Jerônimo, trabalha com concreto e a memória, com elementos que remetem a alusão dos varais das casas e aos navios e às viagens. Os figurinos, de Alexandra Deitos, se alternam entre a leveza das camisolas brancas e os materiais rústicos das roupas dos homens do mar. A iluminação, de Rodrigo Alves, é delicada e focada no que é essencial para dar o caráter intimista que o texto aponta. A música original e a sonoplastia de Reinaldo Guiraldelli envolvem a narrativa com tons intimistas e dramáticos.

Montagem da Cia do Ator Careca estreou em outubro do ano passado no Viga Espaço Cênico. O Design Gráfico é de Denise Voss. As Fotos são de Fernanda Procópio.

SERVIÇO
DESILUSÃO DAS DEZ HORAS
Reestreia
dia 3 de setembro de 2016, sábado, às 21h
Temporada: Até 23 de outubro
Horário: Sábado, às 21h. Domingo, às 19h
VIGA ESPAÇO CÊNICO – Sala Piscina
Endereço:
Rua Capote Valente, 1323 – Sumaré
Duração: 70 minutos
Recomendação: 14 anos
Ingressos: R$40,00 (inteira) e R$20,00 (+60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino)
tel: 3801-1843
Capacidade 40 lugares
A bilheteria abre 1 hora antes do espetáculo, vendas online pelo Ingresso Rápido. Ar condicionado. Aceita cartões, Visa, Maestro e Rede Shop. Café no local.

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 agosto, 2016 13:06


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Angry Birds 2

Facebook

O Clube dos Canibais
Meu Nome é Daniel