Na Semana do Meio Ambiente, o Canal Futura estreia dois programas especiais sobre o tema

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 1 junho, 2016 16:49

Em homenagem ao Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorando em 5 de junho, o Canal Futura estreia dois programas sobre o tema. No dia 2 (quinta-feira), às 21h, estreia a nova temporada do Mundo.doc. Dividido em três coleções – Meio Ambiente, Comportamento e Esporte e Direitos Humanos -, a primeira parte traz cinco documentários e aborda questões sobre a natureza e o planeta. O primeiro episódio mostra a luta dos habitantes de uma pequena aldeia na Irlanda, que tentam proteger seus meios de subsistência dos perigos representados pelo gasoduto que corta o território da comunidade.

Canal Futura-Dia Mundial do Meio Ambiente (2)

Também na quinta-feira, às 22h, Regina Casé apresenta um especial do “Um Pé de Quê?” direto do Jardim Botânico, no Rio de Janeiro.  Para falar sobre flores, a protagonista da vez é a árvore amazônica Jeniparana, que produz uma flor excepcionalmente bela e delicada, de suave coloração cor-de-rosa e com odor adocicado, atraindo pássaros e insetos. Mulheres fundamentais para o conhecimento botânico, as ilustradoras Margareth Mee e Maria Werneck e a paisagista Cecília Beatriz são apresentadas ao público neste episódio.

CONFIRA AS SINOPSES

UM PÉ DE QUÊ? – ESPECIAL MEIO AMBIENTE
Quinta-feira, 02/06, às 22h
Duração: 30 min
Classificação: Livre 

JENIPARANA (Gustavia augusta)

Nesse programa vamos falar de flores. E conhecer mulheres incríveis, fundamentais para o conhecimento botânico, como as ilustradoras Margareth Mee e Maria Werneck, além da paisagista Cecília Beatriz, num belo passeio pela floração do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

Desde que surgiram no planeta, há cerca de 130 milhões de anos, as angiospermas se espalharam pelo mundo numa incrível diversidade de tamanhos, formas e cores. Com uma flor excepcionalmente bela e delicada, de suave coloração cor-de-rosa e que exala um suave odor adocicado atraindo pássaros e insetos, a árvore amazônica Jeniparana é um exemplo dessa tão bem sucedida estratégia de sobrevivência: as flores são extremamente eficientes tanto em fertilização, como em produção e dispersão de sementes.

MUNDO. DOC – MEIO AMBIENTE 

Estreia: Quinta-feira , 02/06, às 21h
Duração: 60min
Classificação: Livre

2 de junho (quinta-feira), às

O Duto

Acompanha a luta dos habitantes de uma pequena aldeia na Irlanda. Tudo começa em 1996 quando foi descoberto um campo de gás na costa oeste da Irlanda. A proposta era levar o gás por meio de um gasoduto percorrendo 9 quilômetros por em terras em Possport até a refinaria em Ballenboy.  O filme narra as lutas dos habitantes da pequena comunidade à medida que tentam proteger seus meios de subsistência dos perigos representados pelo gasoduto.  Filmado ao longo de três anos, The Pipe segue o conflito que vai desde os campos e as águas ao redor Rossport, até o Departamento da Marinha e Recursos Naturais em Dublin e, em última instância, para o Parlamento Europeu, uma vez que se depara com a força da indústria do petróleo.

Às margens do Yangtze

O tema de “Up the Yangtze” é a transformação iminente do entorno do rio Yangtze, prestes a dar origem à maior usina hidrelétrica do planeta (o filme é de 2007). O cineasta documenta o cotidiano de famílias ribeirinhas e provoca conversas sobre as perspectivas delas para o futuro, já que terão que se mudar para outro lugar e provavelmente abandonar a vida rural. A cereja do bolo são os depoimentos colhidos num cruzeiro de luxo que percorre o rio, e que também está fadado a encerrar suas atividades. Considero este filme até ligeiramente superior a “China in Turmoil” porque a edição é mais envolvente, e a alternância entre dois pontos de vista tão visualmente díspares – o cruzeiro e as populações ribeirinhas – me parece muito instigante, artisticamente falando. A relevância do tema ambiental e social, assim como a possibilidade de o espectador relacionar a transformação do Yangtze com obras análogas em andamento no Brasil, são outras das principais razões para a recomendação deste doc. Por último, um dos personagens principais é um jovem cujo primeiro emprego será trabalhar no cruzeiro, e o doc ganha pontos ao mostrar suas aspirações e inquietações profissionais, divididas com seus amigos, nesse início de carreira.

A Era do Alumínio

O documentário acompanha as mais recentes pesquisas sobre os transtornos causados pelo alumínio no meio ambiente e na saúde da população. A partir de casos concretos de pessoas que contraíram doenças que podem ser associadas à exposição prolongada de alumínio, o documentário apresenta os principais argumentos de cientistas que fundamentam os perigos da utilização indiscriminada deste metal na produção de alimentos, cosméticos e outros objetos de uso corriqueiro. Foram também realizadas entrevistas com personagens da grande indústria deste elemento, para dar a dimensão da movimentação econômica que esta produção coloca em marcha. A grande indústria inclui entrevistas em Porto Trombetas, no Pará, onde uma das maiores multinacionais do mundo tem sua base de extração deste elemento que, apesar de não ter nenhum aproveitamento pelos seres vivos, está disponível na própria crosta terrestre.

Hotel Red Forest

Mika Koskinen, documentarista finlandês, vai até a China para retratar a atuação controversa da empresa Stora Enso, fabricante de papel conterrânea do cineasta. Através de entrevistas com trabalhadores e especialistas, Mika mostra os métodos reprováveis da companhia, que além de implementar técnicas de monocultura nocivas ao meio ambiente, explora trabalhadores locais, que chegam a ser agredidos fisicamente por seus superiores. Na primeira metade do filme, porém, acompanhamos a saga do documentarista para conseguir o material que precisava para contar essa história. Ele é abordado frequentemente por agentes do governo, que fazem de tudo para impedir a continuidade do seu trabalho, chegando a “prender” um de seus interlocutores em um quarto de hotel – o tal Red Forest do título.

Brasil Orgânico

O espectador acompanha o crescimento da produção sem agrotóxicos em diferentes estados, como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Amapá, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul, com seus biomas particulares, como Pantanal, Amazônia, Pampa, Cerrado, Caatinga e Mata Atlântica. O documentário também mostra o lado do consumo, que se torna cada vez mais responsável e exigente, buscando o selo de produção orgânica, que, por sua vez, passou a ser mais regularizado e confiável.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 1 junho, 2016 16:49


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!