Rodrigo Braga leva a natureza para espaço expositivo do Paço das Artes

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 2 outubro, 2015 11:04

Árvores derrubadas pelas chuvas e carcaças de carros abandonados dispararam o processo criativo de Abrigo de paisagem/Veículo de passagem, exposição do artista Rodrigo Braga, que o Paço das Artes inaugura no dia 9/10. A curadoria é de Priscila Arantes, diretora artística e curadora da instituição, que pertence à Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo.

“O Rodrigo trouxe como proposta a queda das árvores em função das fortes chuvas em São Paulo. Aí surgiu a ideia de criar um trabalho que dialogasse com o contexto da cidade e da mata do Paço das Artes. Depois, começamos as buscas por raízes de árvores já mortas”, afirma Priscila Arantes.

A individual de Rodrigo Braga conta com dois trabalhos inéditos desenvolvidos durante a residência no Paço das Artes e vivência na capital paulista: uma instalação e um vídeo. A instalação é composta por uma raiz de uma árvore urbana e motores de carros em desuso e estará entre projeções do vídeo, que tem como base uma ação performática exercida pelo próprio artista ao longo de dois dias.

Esse trabalho –“híbrido de ação performática e vídeo”– exigiu do artista muita concentração, envolvimento e esforço físico tanto para carregar portões de ferro, quanto para quebrar galhos de uma árvore. A ação teve início numa tarde de setembro, numa praça localizada numa rotatória da Cidade Universitária, próximo ao Paço das Artes. Rodrigo Braga chega dirigindo um carro antigo (Voyage, azul), com grades de portões de casa demolidas no teto e estaciona o veículo ao lado de uma árvore de médio porte.

Aos poucos descarrega peça por peça e, com cordas, inicia a amarração dessas grades a partir dos galhos da copa até o chão, no sentido de fazer uma espécie de “casa na árvore”. No interior, amarra lonas plásticas para criar o isolamento entre o dentro e o fora e construir uma espécie de “núcleo de aconchego”, como define o artista. À noite o abrigo fica pronto, Rodrigo entra e passa a noite.

Ao raiar do dia seguinte, a performance continua: Rodrigo sai do abrigo, entra no carro sozinho, dirigindo-o em direção ao Paço das Artes e depois segue até a Fazenda Serrinha, em Bragança Paulista (125 km de São Paulo). Ao cair do sol, realiza a ação final com outra árvore, construindo um novo “abrigo”.

De acordo com o artista, Abrigo de paisagem/Veículo de passagem reflete uma contradição do homem urbano em relação à zona rural. “O veículo aqui (e na ‘vida real’) é uma espécie de cápsula de passagem entre mundos relativamente próximos, mas tantas vezes antagônicos. A narrativa sugere fluxos bilaterais entre a ideia de campo e cidade. No decorrer de dois dias e duas noites esses limites são ultrapassados e misturados”, diz.

Sobre o artista

Nascido em Manaus em 1976, Rodrigo Braga logo mudou-se para Recife, onde graduou-se em Artes Plásticas pela UFPE (2002). Atualmente, vive no Rio de Janeiro. Expõe com regularidade desde 1999 e em 2012 participou da 30ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 2009, recebe Prêmio Marcantonio Vilaça – Funarte/MinC; em 2010, o Prêmio Marc Ferrez de Fotografia, em 2012, o Prêmio Pipa/MAM-RJ Voto Popular e, em 2013, o Prêmio MASP Talento Emergente. Possui obras em acervos particulares e institucionais no Brasil e no exterior, como MAM-SP, MAM-RJ e Maison Européene de La Photographie – Paris.

Com sua participação na 30ª Bienal de São Paulo em 2012, numa sala especial, Rodrigo Braga consolida-se como uma referência dentro do panorama da arte contemporânea brasileira por sua radical interrogação das dimensões animal e natural da existência humana. A inscrição do corpo próprio em contextos literalmente naturais, em cenas de representação que se desenvolvem em interstícios entre o animal e o humano, o natural e o cultural, e a densidade da matéria e da dimensão simbólica de sua obra fazem dela, por meio da fotografia, do vídeo e da performance, um conjunto capaz de iluminar, a partir da arte, uma das discussões estéticas e políticas mais contundentes e urgentes de nosso tempo, a saber, aquela que interroga as mutações e a perda da centralidade da condição humana.

SERVIÇO
Abrigo de paisagem/Veículo de passagem | Rodrigo Braga
Curadoria: Priscila Arantes
Abertura: 9 de outubro de 2015, sexta-feira, às 19h
Visitação: até 13 de dezembro de 2015
Horários: Quartas a sextas-feiras, das 10h às 19h; sábados, domingos e feriados, das 11h às 18h
Paço das Artes
Endereço: Avenida da Universidade, 1, Cidade Universitária, São Paulo – SP
Agendamentos de visitas orientadas: educativo@pacodasartes.org.br
Grátis

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 2 outubro, 2015 11:04


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!