Cine Humberto Mauro homenageia Elvis Presley com Micro exposição e Mostra no mês de aniversário da morte do cantor

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 5 agosto, 2015 13:29

Cine Humberto Mauro homenageia Elvis Presley com Micro exposição e Mostra no mês de aniversário da morte do cantor

Em agosto de 2015, 38 anos depois da morte de Elvis Presley, a Fundação Clóvis Salgado, por meio do Cine Humberto Mauro, promove uma mostra que resgata a carreira cinematográfica de uma das figuras mais icônica da música e do cinema: Elvis Presley, o Rei do Rock, que faleceu em 16 de agosto de 1977. A mostra “This is Elvis” traz as principais obras do artista que extrapolou a música e atingiu uma pluralidade artística que o permitiu transitar também em outras áreas, como o cinema. Serão exibidos 17 longas metragens de diferentes estilos, desde musicais e faroestes, até documentários sobre a vida do Rei do Rock. Estão na programação obras como Balada Sangrenta (1958) e Seresteiro de Acapulco (1963) e os documentários Elvis (1979) de John Carpenter, e This is Elvis (1981) de Malcom Leo e Andrew Solt, que representam a dimensão da influência de Elvis Presley como músico e ícone da cultura pop.

Paralelamente à mostra, o Cine Humberto Mauro também fará, na entrada do cinema, uma exposição de objetos relacionados ao cantor, em parceria com o fã-clube mineiro Clube Elvis, que também auxiliou Philipe Ratton, Gerente do Cinema, na curadoria da mostra. 

Feitico Havaiano 1

Elvis e Assim 2

Entre a tela e o palco – Com uma estreia no cinema praticamente simultânea à gravação do seu disco de lançamento – sua primeira aparição como protagonista acontece no longa Ama-me com ternura, de 1956 – Elvis, sendo ator e cantor, descobriu um método extremamente eficiente de promover-se: ao mesmo tempo que levava às salas de cinemas centenas de fãs para assisti-lo, milhares de cópias de álbuns de trilha sonoras dos seus filmes eram comercializadas em todo o mundo. “Sendo precursor dessa ação conjugada de marketing e ao criar a imagem do Rockstar, Elvis desenvolve e enaltece um personagem de muita atitude, cujas performances eram explosivas e consideradas extremamente ousadas para a época”, explica o Gerente de Cinema e curador da mostra Philipe Ratton.

Cultivando a imagem de rebelde, Elvis influencia uma geração que antecede a contracultura e já demonstra o desejo de distanciar-se dos costumes tradicionais que orientavam a sociedade conservadora. “O cinema é um aliado nesse aspecto, pois ajuda a ressignificar a imagem do artista através das narrativas cinematográficas”, complementa Philipe. Buscando inspiração em astros dos anos 50 como James Dean e Marlon Brando, Elvis ostenta jaquetas de couros e motocicletas para arquitetar um personagem selvagem e indomável, criando uma imagem que é corroborada pelos seus papéis no cinema. Uma mudança de figura só viria a ser diluída após o seu regresso da guerra, quando Elvis incorpora o estigma de bom moço e amplia ainda mais o seu público, estrelando filmes como Feitiço havaiano (1961) e Estrela de fogo (1960). 

Da música gospel a ‘The Pelvis’ – Situado em um contexto social em que a segregação racial era uma questão eminente e contestada nos Estados Unidos, principalmente em seu estado, o Mississippi, Elvis incorpora muito da cultura afroamericana em sua música e em seu estilo pessoal. Frequentando igrejas da comunidade negra, Elvis aproximou-se da música gospel marcada por grandes timbres vocais para exaltar ainda mais as canções religiosas. Sua música também recebeu influência do blues que germinava no sul dos Estados Unidos, através de músicos como Muddy Waters e B.B. King.

No entanto, influenciado pelo blues e pelo country, uma outra característica singular de Elvis marcou para sempre sua carreira: o requebradoApelidado também como Elvis the Pelvis, seu rebolado foi considerado pornográfico por diversas emissoras de televisão, que só exibiam suas performances da cintura para cima. A tentativa de conter o fascínio pelo movimento pélvico falhou e o rebolado de Elvis é abertamente celebrado em musicais como Prisioneiro do rock and roll (1957) Amor a toda velocidade (1964).

ELVIS PRESLEY – Conhecido como Rei do Rock, Elvis Aaron Presley nasceu em 1935, em East Tupelo nos Estados Unidos, e faleceu aos 42 anos, em 77. Celebrado pelas suas performances – principalmente por suas danças extravagantes e ousadas para a época – Elvis é considerado um dos pioneiros do rock’n’roll, combinando o grande alcance do seu timbre vocal a uma fusão musical que intercalava elementos do rythm and blues com a música country.Sintetizando diversas influências e criando um estilo musical e estético que afrontava a sociedade conservadora, Elvis tornou-se um dos maiores ícones da cultura pop e é considerado o primeiro superstar da música popular, influenciando desde inúmeros cantores e compositores de décadas seguintes até a atualidade. 

HISTÓRIA PERMANENTE DO CINEMA – Paralelamente, o Cine Humberto Mauro dá continuidade à mostra História Permanente do Cinema. Serão exibidos filmes em diálogo com a mostra This is Elvis, como Juventude Transviada, de Nicholas Ray e o Selvagem, de Laslo Benedek, as sessões serão comentadas.

Viva Las Vegas 2

SERVIÇO

Evento: Mostra This is Elvis
Local: Cine Humberto Mauro
Palácio das Artes – Av. Afonso Pena, 1.537
Período: 7 a 19 de agosto
Entrada gratuita

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 5 agosto, 2015 13:29


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!