CASTANHA e SINFONIA DA NECRÓPOLE são premiados no VI FESTIVAL DE PAULÍNIA

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 1 agosto, 2014 10:00

CASTANHA e SINFONIA DA NECRÓPOLE são premiados no VI FESTIVAL DE PAULÍNIA

SINFONIA DA NECRÓPOLE RECEBE O PREMIO DE MELHOR TRILHA SONORA NO VI PAULINIA FILM FESTIVAL
Novo trabalho da diretora Juliana Rojas (Trabalhar Cansa) soma elementos do gênero musical, terror e comédia

SINFONIA DA NECRÓPOLE, recebeu receber o premio de melhor trilha sonora no VI Paulinia Film Festival onde foi exibido no dia 23 de julho. Toda a trama do filme se desenvolve a partir de números musicais. As letras das canções foram escritas pela própria Juliana Rojas, algumas em parceria com Ramiro Murillo, que também assina a produção musical, coreografia e arranjos das canções e Marco Dutra, co-diretor de vários filmes realizados por Juliana e também responsável pelas composições SINFONIA DA NECRÓPOLE.

SINFONIA DA NECRÓPOLE-Official Poster Banner PROMO-09JULHO2014-01

O filme escrito e dirigido por Juliana Rojas e produzido pela Avoa Filmes, foi selecionado para os festivais de Paulínia e Gramado. O filme é o primeiro longa solo da diretora de TRABALHAR CANSA (co-dirigido por Marco Dutra). Em sua recente, porém robusta, filmografia, Juliana Rojas sempre trabalhou o terror, o suspense e o fantástico. Nesse novo filme ela não abre mão desses elementos, mas prioriza o gênero musical com toques de humor.

SINFONIA DA NECRÓPOLE se passa na cidade de São Paulo, onde a rotina do aprendiz de coveiro Deodato muda quando uma nova funcionária chega ao cemitério. Juntos, eles devem fazer o recadastramento dos túmulos abandonados, mas estranhos eventos fazem o aprendiz questionar as implicações em se mexer com os mortos.

O filme tem fotografia de Flora Dias, a direção de arte de Fernando Zuccolotto e o desenho de som de Daniel Turini e Fernando Henna (premiados no Festival de Paulínia 2011 por seu trabalho no longa-metragem TRABALHAR CANSA). O elenco é composto por atores do teatro paulistano. Eduardo Gomes (Deodato), ator formado pela EAD – ECA/USP, atuou em montagens da Cia Livre de Teatro e Pessoal do Faroeste, e Luciana Paes (Jaqueline), faz parte da Cia. Hiato e foi indicada para o prêmio Shell 2013, pelo monólogo “Ficção #3. Dentre os coadjuvantes, estão atores que trabalharam com a Cia do Latão, Cia São Jorge de Variedades e o CPT de Antunes Filho.

SINFONIA DA NECRÓPOLE é o quarto longa do Filmes do Caixote, coletivo formado pelos realizadores Caetano Gotardo, João Marcos de Almeida, Juliana Rojas, Marco Dutra e Sergio Silva, que trabalham em colaboração constante.

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

CASTANHA RECEBE O PREMIO DE MELHOR SOM NO VI FESTIVAL DE PAULÍNIA
Após estréia mundial no Festival de Berlim, o filme de Davi Pretto foi exibido no Festival de Paulínia

O desenhista de som Tiago Bello, acaba de receber o prêmio de Melhor Som por seu trabalho no longa metragem CASTANHA de Davi Pretto. Tiago Bello foi responsável pelo som de longas como MORRO DO CEU de Gustavo Spolidoro e ATÉ QUE A SBORNIA NOS SEPARE de Otto Guerra, e recebeu o kikito de melhor som de curta metragem e da mostra gaúcha do Festival de Gramado pelo filme TOMOU CAFÉ E ESPEROU.

CASTANHA-Official Poster Banner PROMO-21JULHO2014-01

“É um grande prazer receber esse prêmio aqui em Paulinia. É um filme muito especial para mim, pois é o primeiro longa do Davi e da Tokyo Filmes, com quem tenho uma relação muito especial. E também considero o filme uma homenagem ao João Castanha, um ator que merece muito protagonizar esse longa que já rodou diversos continentes”. Diz Tiago Bello, direto do Festival.
CASTANHA produzido pela Tokyo Filmes, foi lançado no 64o Festival de Berlim. Desde então foi exibido em diversos festivais ao redor do mundo. Estrelado pelos atores João Carlos Castanha e Celina Castanha, o filme mistura ficção e documentário, brincando com a relação entre o Castanha ator e o da vida real.

João é um ator de 52 anos que vive com a mãe Celina de 72 anos. Sua rotina é dividida entre o trabalho noturno, como transformista em um bar gay e o diurno, onde realiza pequenas participações em peças infantis, filmes e programas de televisão. Atormentando, João se sente perseguido por fantasmas de seu passado e, dia após dia, passa a confundir cada vez mais a realidade em que vive com a ficção que interpreta.

O diretor e roteirista de CASTANHA, além da realização de diversos curtas metragens, é também curador e programador de projetos culturais e Mostras de Cinema exibidas no Cinesesc e no Centro Cultural Banco do Brasil. Seu primeiro longa metragem foi exibido em diversos festivais de cinema. Além da estréia em Berlim, passou pelos Festival Internacional de Hong Kong, pelo BAFICI – Festival Internacional de Cinema Independente de Buenos Aires, pelo Festival Internacional de cinema de Las Palmas de Gran Canária na Espanha, entre muitos outros.

CASTANHA tem realização da premiada Tokyo Filmes, produtora fundada em 2009 pelo próprio Davi Pretto, juntamente com o editor Bruno Carboni, a produtora Paola Wink e o diretor de arte Richard Tavares. E conta com a co-produção do Canal Brasil e o financiamento da FUMPROARTE.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 1 agosto, 2014 10:00


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Dora e a Cidade Perdida

Facebook

O Clube dos Canibais
Meu Nome é Daniel