OSB apresenta obras desafiantes de Wagner e Brahms em concerto na Cidade das Artes

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 1 julho, 2014 16:09

OSB apresenta obras desafiantes de Wagner e Brahms em concerto na Cidade das Artes

Duas peças alemãs fortes e exigentes na entrega dos músicos que se propõem a interpretá-las. A OSB abre o mês das férias com as obras “O Idílio de Siegfried”, de Wagner; e “Sinfonia nº 1 em dó menor”, de Brahms, em apresentação na Grande Sala da Cidade das Artes, no dia 7 de julho, às 21h, com regência do maestro titular da orquestra, Roberto Minczuk. Os ingressos já estão à venda na bilheteria da Cidade das Artes e no site Ingresso Rápido (www.ingressorapido.com.br).

A noite germânica da OSB começa com a interpretação de “O Idílio de Siegfried”, composta em 1869. A peça é particularmente íntima e traz como inspiração momentos da vida familiar e conjugal de Wagner, como o fato de ter sido concebida como um presente de aniversário para Cosima, sua mulher, após o nascimento do filho do casal. A música serviu, também, para celebrar o ano em que o compositor e a mulher finalmente puderam se casar, em 1870, depois de anos perturbadores em que Cosima lutava pelo divórcio do seu primeiro marido.

Apesar de ter sido escrita para um conjunto de 15 músicos, “O Idílio de Siegfried” é comumente apresentada na versão para grande orquestra e traz temas e referências de duas outras obras de Wagner: “Siegfried”, terceira parte da ópera “O Anel de Nibelungo”, e a ópera “Valquíria”. A première aconteceu em 1870, na manhã do dia 25 de dezembro, por um grupo de músicos da Orquestra Tonhalle de Zurique, na escadaria da Vila de Tribschen, com o intuito de despertar Cosima.

Na segunda parte do concerto, a orquestra traz ao público a trabalhosa e belíssima “Sinfonia nº1 em dó menor”, de Johannes Brahms. A inspiração para escrevê-la surgiu em 1854 depois que o compositor escutou pela primeira vez a Sinfonia nº9 de Beethoven. Decidiu compor a sua própria Sinfonia também na mesma nota que a obra do conterrâneo, em dó menor. Diante do sucesso e importância da peça de Beethoven, Brahms sentiu-se desafiado a compor algo não menos arrebatador e demorou cerca de 21 anos (de 1855 a 1876), entre esboços e retoques finais, para dar-se por satisfeito e finalizar a sinfonia. Nesse meio tempo, Brahms era motivado pelos amigos, o violinista Joseph Joachim e o compositor Robert Schumann a seguir em frente. A estreia da primeira sinfonia em dó menor do compositor aconteceu em novembro de 1876 na cidade de Karlsruhe, na Alemanha, e foi conduzida pelo maestro, também amigo de Brahms, Felix Otto Dessoff.

SERVIÇO
OSB – SÉRIE CIDADE DAS ARTES
Data: Segunda, 7 de julho, às 21h, na Grande Sala na Cidade das Artes
Cidade das Artes
Endereço: Avenida das Américas 5.300, Barra da Tijuca, Rio de Janeiro – RJ
Capacidade: 1250 pessoas
Estacionamento: De segunda a sexta até as 18h – R$8,00 / de segunda a sexta após as 18h e finais de semana R$10,00)

Valores dos ingressos

  • Plateia – R$ 120
  • Frisas – R$ 80
  • Camarotes – R$ 80
  • Galerias – R$ 30

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 1 julho, 2014 16:09


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Aprendiz de Espiã

Facebook