Oi Futuro apresenta “Hotel Fuck: num dia quente a maionese pode te matar”, espetáculo gaúcho inédito no Rio

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 6 agosto, 2013 17:10

Oi Futuro apresenta “Hotel Fuck: num dia quente a maionese pode te matar”, espetáculo gaúcho inédito no Rio

Santa Estação Cia de Teatro, grupo gaúcho premiado, apresenta no Rio de Janeiro o espetáculo “Hotel Fuck: num dia quente a maionese pode te matar”, encerrando o projeto contemplado com o Prêmio Myriam Muniz de circulação da Funarte. As sessões ocorrem nos dias 02, 03 e 04 de agosto, no Oi Futuro no Flamengo, com entrada franca. As apresentações têm apoio cultural do Oi Futuro.

A chegada de Janaína Kremer no elenco é a novidade desta etapa do projeto de circulação. A atriz gaúcha participou em 2012 das filmagens do longa-metragem “O Tempo e o Vento”, dirigido por Jayme Monjardim, no papel de Bibiana, o mesmo personagem interpretado por Fernanda Montenegro.

O grupo iniciou a caravana nacional em julho de 2012, na cidade de Campinas. Segundo a diretora da companhia, Jezebel de Carli, a escolha das cidades foi marcada pela busca de referências que se identificam com a temática do espetáculo: “Curitiba, Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro, tão distintas entre si, também são o ponto de interesse desta escolha, uma vez que o universo abordado pelo trabalho se passa em submundos, guetos, difusos e incorporados no desenho de centros urbanos. E é aí onde elas se parecem, cada uma com suas particularidades em cenário e personagens, mas com os mesmos medos e sombras”, afirma.

A montagem estreou em Porto Alegre, sede da companhia, em outubro de 2010. A caravana contempla 10 apresentações gratuitas nas quatro cidades, além de atividades formativas com Diones Camargo, dramaturgo do espetáculo.

Hotel Fuck está ancorado no diálogo entre a linguagem cinematográfica e teatral e tem como objetivo interferir nos espaços cotidianos da cidade sob a forma de um set de filmagem, com texto dramático de Diones Camargo e direção de Jezebel.  A peça transita entre o teatro, o cinema e a rua. Apresentado ao espectador em cenas decupadas, longe de uma narrativa tradicional, a saga se completa em três horas: Episódio 1 – “Cavando a porta do inferno.”;  Episódio 2 – “Uma temporada no paraíso.” e Episódio 3 – “Eles atiram em lobos.”

O espetáculo traz cenas de assassinato, roubo, sexo, intriga, humor, pitadas de efeitos especiais e personagens do submundo. Ambientado em uma ficção com referência na desconstrução “nonsense” de David Lynch, que ora faz lembrar os filmes de Quentin Tarantino e Robert Rodriguez, ora a estética dos quadrinhos de Frank Miller e Alan Moore.

O público acompanha de perto as gravações e os truques utilizados para a realização dos efeitos especiais do que seria um filme de ação, sexo e terror, com muito humor e amadorismo, típicos de uma produção de baixo orçamento. Os atores jogam além dos personagens do filme Hotel Fuck, as figuras do entorno, ou seja, a equipe técnica: diretor, produtor, diretor de fotografia, assistente, diretor de arte, figurinista, câmera, técnicos de luz e som etc., misturando realidade e ficção e jogando com as diferentes camadas que surgem dessa contaminação.

As apresentações no Rio de Janeiro têm entrada franca, e as senhas serão distribuídas a partir de 1h antes do evento, na bilheteria do local.

Quando Nick Newman, um infame esquartejador de mulheres, decide parar de matar, ele não imagina os problemas que essa decisão irá lhe trazer. A começar por Linda, sua amante imortal, que fica furiosa com a notícia, pois apesar dos insistentes pedidos ela nunca teve a sorte de ser destroçada pelo amado, da mesma forma que este fazia com as outras mulheres. Outra que não suporta a ideia é Audrey, uma mulher misteriosa que planeja vingar-se do homem que a mutilou, anos antes. Para isso, ela contrata Gordon, um detetive durão, sem saber que na verdade este não passa de um ex-ator que vive aprisionado no seu único e derradeiro papel. Essas figuras ainda cruzarão com Ashley, uma diva pornô excêntrica e radicalmente egocêntrica; com Loureen, uma diretora fetichista e dominadora, que está em busca do próximo roteiro que lhe colocará novamente atrás das câmeras; e com Jessica, uma transexual dividida pela culpa de um passado obscuro. Para completar esse cenário de pesadelo, um quadro de James Dean, um vestido da Marilyn Monroe, um papel de parede de pinturas rupestres, e uma revelação mística trazida por Leatherface. Garotas com cinta liga e armas em punho, massacres, assaltos a bancos, fetiches e perversões, algemas, couros e muffins, perseguições implacáveis, apostas mal-sucedidas, trocas de identidades, travestismo, esquartejamentos, revelações místicas trazidas por Leatherface, garotões que amam suas Magnum 44, corações partidos, sexo e sangue…  muito sangue. Onde? No Hotel Fuck, baby.

SERVIÇO
“Hotel Fuck: num dia quente a maionese pode te matar”
Santa Estação Cia de Teatro no Rio de Janeiro
Oi Futuro
Endereço:
Rua Dois de Dezembro, 63 – Flamengo
Data: 02, 03 e 04 de agosto, às 19h
Classificação etária: 18 anos
Entrada franca
(Retirada de senhas 1 hora antes do espetáculo, na bilheteria do teatro)
Informações: (21) 3131-3060

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 6 agosto, 2013 17:10


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!