Cinema do IMS Rio exibe filmes do cineasta belga Johan Grimonprez

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 5 julho, 2017 11:40

O cinema do IMS Rio apresenta, entre os dias 8 e 9 de julho, quatro filmes de Johan Grimonprez (1962)dial H-I-S-T-O-R-YDouble TakeShadow World Blue Orchids. Em uma feliz coincidência, este programa é apresentado no mesmo mês que o festival Doku.Arts – que já há alguns anos exibiu, nesta mesma sala, Double Take. A retrospectiva de Johan Grimonprez é realizada com o apoio cultural do Consulado Geral da Bélgica no Rio de Janeiro.

A sobreposição de significados é uma característica marcante da obra de Johan Grimonprez, pouco difundida no país. Os filmes que serão exibidos no IMS trabalham com imagens de arquivo dos mais variados tipos: comerciais, cinejornais soviéticos, filmes caseiros, debates entre Richard Nixon e Nikita Kruschev, apresentações de Alfred Hitchcock na televisão. Se, em uma primeira instância seriam incongruentes, a colisão dessas imagens tal como propõe Grimonprez sublinha a ironia sem esvaziar a dimensão política do material de arquivo e dos períodos históricos abordados, que vão daa Guerra Fria até os dias atuais. 

Sobre Johan Grimonprez

O artista visual e cineasta belga Johan Grimonprez alcançou aclamação internacional com o documentário dial H-I-S-T-O-R-Y, em 1997. Seus filmes e projetos já foram exibidos em museus do mundo inteiro, incluindo o Hammer Museum (Los Angeles), Pinakothek der Moderne (Munique) e MoMA (Nova York). Suas obras são parte de coleções permanentes de museus como o Centro Georges Pompidou (Paris), o Kanazawa Art Museum (Japão) e a Tate Modern (Londres). Grimonprez divide seu tempo entre Bruxelas e Nova York, onde ele leciona na School of Visual Arts.

Programação

8 de julho | sábado

16h – Double Take

17h30 – Blue Orchids

18h30 – dial H-I-S-T-O-R-Y

20h – Shadow World 

9 de julho | domingo

16h – dial H-I-S-T-O-R-Y

17h15 – Shadow World

19h – Blue Orchids

20h – Double Take

Sinopses

disque H-I-S-T-Ó-R-I-A (dial H-I- S-T- O-R-Y), de Johan Grimonprez

(Bélgica, França, 1997. 68’. Exibição em cópia digital)

16 anos

Em disque H-I-S-T-Ó-R-I-A, Johan Grimonprez discorre sobre uma série de sequestros de avião entre a década de 1960 e meados dos anos 1990. Sem banalizar a dimensão política desses eventos, Grimonprez mescla, de maneira cáustica, imagens dos sequestros com outras imagens de arquivo, muitas delas banais, incluindo lojas de fast food, discotecas e filmes caseiros. A trilha sonora elaborada por David Shea conduz essa “montanha-russa através da história”, melhor descrita nas palavras de um executivo da Pepsi sequestrado como: “Percorrer uma gama de várias emoções: de surpresa a choque, medo, alegria, risos e, mais uma vez, medo”.

Olhe novamente (Double Take), de Johan Grimonprez

(Alemanha, Bélgica, EUA, Holanda, 2009. 80’. Exibição em cópia digital)

16 anos

Em meio a discussões entre Richard Nixon e Nikita Kruschev, propagandas de café instantâneo e cinejornais dos empreendimentos soviéticos no espaço na década de 1950, Alfred Hitchcock se torna uma espécie de professor de história paranóico, envolvido em uma intriga imaginária com seu doppelganger durante o período da Guerra Fria. Neste filme-ensaio, Grimonprez trabalha novamente com materiais de arquivo, em uma complexa mistura de imagens documentais e ficcionais, uma espécie de uma crônica da transformação do medo em commodity.

Mundo das sombras (Shadow World), de Johan Grimonprez

(Bélgica, Dinamarca, EUA, 2016. 94’. Exibição em DCP)

16 anos

O filme analisa a influência do comércio de armas sobre a política econômica de alguns dos maiores países do mundo, em uma estrutura que envolve governos, institutos de pesquisa e serviços de inteligência. Livremente baseado no livro de Andrew Feinstein The Shadow World: Inside the Global Arms Trade (O mundo das sombras, por dentro do tráfico internacional de armas, em tradução livre), o filme reúne – como de hábito na obra de Grimonprez – imagens de arquivo, que, em conjunto com depoimento de especialistas (jornalistas, ativistas e políticos proeminentes, entre outros), identificam suborno e corrupção como fatores determinantes para a manutenção de um estado de guerra permanente em diversos países.

Orquídeas azuis (Blue Orchids), de Johan Grimonprez

(Bélgica, 2017. 50’. Exibição em cópia digital)

16 anos

As histórias de Chris Hedges, ex-correspondente de guerra do New York Times, e Riccardo Privitera, ex-negociante de armas e equipamentos da Talisman Europe Ltd. (empresa atualmente liquidada), fornecem um contexto incomum e perturbador para revelações acerca da indústria da guerra. Ao entrevistar Privitera e Hedges para Mundo das sombras, ficou claro para Grimonprez que os dois homens estavam descrevendo a mesma angústia a partir de perspectivas paradoxais. Fazendo uso de suas histórias pessoais e políticas, o filme retrata o comércio de armas como um sintoma de uma doença profunda: a ganância.

Ingressos

R$ 8,00 (inteira) e R$ 4,00 (meia)

Ingressos disponíveis também em www.ingresso.com

Disponibilidade de ingressos sujeita à lotação da sala.

O CINEMA DO IMS NÃO ABRE ÀS SEGUNDAS-FEIRAS

Instituto Moreira Salles

Rua Marquês de São Vicente, 476

Gávea – Rio de Janeiro – RJ

21 3284 7400

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 5 julho, 2017 11:40


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Eu, Tonya

Facebook

Me chame pelo seu nome