Ouça “Bandeira Negra”, a segunda faixa da Armada

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 outubro, 2017 15:08

Ouça “Bandeira Negra”, a segunda faixa da Armada

Inspirada em um livro sobre roubos e crimes de piratas notórios, publicado em 1724 na Inglaterra, a banda punk rock Armada divulgou nesta sexta-feira (27) “Bandeira Negra”, a segunda faixa do EP lançado pela Comandante Records em parceria com a Hearts Bleed Blue (HBB), responsável pelo álbum de estreia do grupo previsto para fevereiro de 2018.

Segundo o vocalista Henrike, autor da letra da música, o livro intitulado “A General History of the Robberies & Murders of the Most Notorious Pirates” relata estórias supostamente reais do período da pirataria. “O capítulo que mais me marcou foi o do Capitão Edward Teach, o infame Barba Negra. Quando seu navio foi atacado pela Marinha Real Inglesa ele bradou: ‘Que a maldição se apodere de mim, se eu te der trégua antes do fim’. Essa foi, inclusive, uma frase que acabei usando no final da música. Barba Negra foi morto nesse dia após tomar cinco tiros e mais de vinte golpes de espada, mas morreu com a espada na mão. Foi decapitado e sua cabeça amarrada na proa do navio”, conta.

O EP “Armada”, que já está disponível na loja online da HBB em formato de vinil 7 polegadas dourado, conta com as faixas “Bandeira Negra” e “Eterno Marujo”, a primeira música divulgada pela banda. “Escolhemos essas duas músicas para o EP, pois são as que soam mais como nossa ex-banda, o Blind Pigs, e como colecionador de disco, fiz questão do single receber lançamento em vinil, que acabou ficando espetacular. ”

Com influências de vários estilos e sem medo de ousar, a Armada surgiu das cinzas do lendário grupo punk rock Blind Pigs, extinto em 2016, e é formada por Henrike Baliú, Mauro Tracco, Alexandre Galindo, Arnaldo Rogano e Ricardo Galano.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 outubro, 2017 15:08


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*