Campinas recebe a exposição itinerante Porta, Porteira e Portão

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 28 março, 2017 18:01

Campinas recebe a exposição itinerante Porta, Porteira e Portão

Para quebrar o estigma de que a cultura interiorana do país é atrasada, Campinas recebe a exposição itinerante Porta, Porteira e Portão – Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr’, no Centro de Cultura Caipira e Arte Popular, no distrito de Joaquim Egídio. A mostra conta com recursos do Programa de Ação Cultural (ProAC), do Governo do Estado de São Paulo, e tem o apoio do Sistema Estadual de Museus (Sisem-SP) e do Museu da Cidade. A abertura acontece às 10h desta quinta-feira, 30, e as visitas seguem até 7 de maio, aos sábados e domingos. A entrada é gratuita.

O elemento principal da exposição é o “R” retroflexo e suas variações, que evidenciam as características peculiares da identidade caipira, a partir de eixos temáticos. Objetos e painéis abordam as artes, a culinária, a religiosidade, a música, o folclore e as festas. A curadoria é do museólogo Rodrigo Santos, de São Pedro, e da historiadora Renata Gava, de Piracicaba, responsáveis pela Engenho Cultural Assessoria e Consultoria, que atua nas áreas de cultura, museu e patrimônio.

“Campinas é metrópole, mas não é capital. Mesmo com todos os problemas e qualidades de uma cidade grande, preserva o acolhimento característico de um município do interior. A mostra busca despertar na população da cidade o sentimento nostálgico do estilo de vida caipira”, define Renata Gava, ao reforçar a máxima de que o caipirês está em todas as regiões brasileiras.

Uma instalação interativa reúne monóculos pendurados em fitas coloridas, em que as pessoas podem relembrar como era a relação como o registro fotográfico. Ainda para incentivar a interatividade, uma tela em branco traz o questionamento: “quais expressões, simpatias e ditos populares você conhece?”. O visitante é convidado a deixar a sua colaboração, escrevendo o que vem à mente. Também é possível produzir fotografias e selfies na mostra, utilizando a hashtag #SouCaipira.

Potes de vidro reúnem iguarias da culinária. Há, ainda, uma coleção de versos musicais, simpatias, superstições, contos e causos, além de curiosidades sobre remédios e benzedeiras. “Trabalhamos com a simbologia a todo instante, numa leitura contemporânea de objetos que permanecem fortes na memória e que já não fazem mais parte de nossas rotinas. É algo automático: a pessoa vê e se identifica com as lembranças dos pais, avós e tios, como da própria infância”, diz Rodrigo Santos.

Ao conceberem a itinerância da mostra, Renata e Rodrigo pensaram no fortalecimento dos espaços que recebem o material. Nesse sentido, a equipe do Museu da Cidade, que administra o Centro de Cultura Caipira, se desdobrou para localizar itens do próprio acervo e incluí-los na exposição, já que uma das propostas do curadores é a de ampliar o diálogo com as instituições.

Tão logo soube do caráter itinerante da exposição, que esteve entre fevereiro e março em Santa Bárbara d’Oeste, Adriana Barão, do Museu da Cidade, entrou em contato com o Sisem-SP para que Campinas fosse contemplada. “Desde agosto de 2015, o Museu da Cidade tem gerenciado o Centro de Cultura Caipira e Arte Popular como uma extensão do próprio museu, mas respeitando as particularidades das ações temáticas sobre cultura caipira”, explica.

Segundo Adriana, a difusão da cultura caipira reforça a identidade local, em especial no distrito de Joaquim Egídio, em que a população preserva hábitos no falar, no ser e no manifestar. “Um jeito denominado ‘caipira de ser’ e que abrange uma percepção de compreensão das relações sociais, com a arte (seja a musicalidade das violas caipiras, artesanato, culinária) e com o meio ambiente, de forma diferenciada da vida pautada na cultura urbana.”

Muitos dos objetos rústicos selecionados pela equipe do Museu da Cidade eram utilizados na cozinha, entre eles pilão, panela de metal, chaleira de ferro, porta-ovos de arrame em forma de galinha e ralador de mandioca. Ainda como parte do acervo do Museu da Cidade, a mostra traz uma semeadeira agrícola em madeira e ferro, um ferro de passar a carvão e uma sanfona de oito baixos da marca Hering, datada de 1910.

SERVIÇO
Exposição “Porta, Porteira e Portão: Modos de ‘Falarrr’ e Costumes do ‘Interiorrr'”
MuCi – Centro de Cultura Caipira e Arte Popular
Endereço:
 Rua José Ignácio, 14, Distrito de Joaquim Egídio, no Casarão da Subprefeitura
Entrada gratuita
Visitas de 30 de março a 7 de maio, aos sábados e domingos, das 10h às 17h. De terça a sexta-feira é possível o agendamento de grupos com monitoria, por meio do e-mail museudacidade@campinas.sp.gov.br
Informações: (19) 3705-8172

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 28 março, 2017 18:01


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Transformers - O último Cavaleiro

Facebook

Homem Aranha: De volta ao Lar




Tal mãe Tal Filha