IMS apresenta fotografias do cineasta Jorge Bodanzky feitas em Brasília nos primeiros anos da ditadura militar

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 23 janeiro, 2017 12:44

A série de fotografias Brasília do cineasta Jorge Bodanzky (1942), que será apresentada pelo Instituto Moreira Salles no Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca (rua Frei Caneca, 569 – Consolação), faz parte do acervo do artista, incorporado às coleções do IMS em 2013. As 11 imagens que estão na mostra foram feitas entre 1964 e 1965, período inicial da ditadura militar no Brasil.

Estudante de arquitetura da Universidade de Brasília (UnB), Bodanzky teve aulas com intelectuais de peso, como Athos Bulcão, Luis Humberto e Amélia Toledo. Foi com câmeras emprestadas por Amélia e Humberto que ele se aventurou na fotografia, registrando a rotina dos estudantes, as incursões no cerrado e cenas de uma Brasília ainda em construção. A mostra apresenta esta pequena série de vistas da cidade, muitas delas feitas de dentro de um carro.

Com o golpe militar em 31 de março de 1964, Bodanzky não pôde concluir seu curso, voltou para São Paulo e, logo depois, embarcou para a Alemanha, onde foi estudar cinema. No regresso à capital paulista, trabalhou alguns anos como repórter fotográfico, para em seguida se dedicar a sua carreira como cineasta.

“Sou o que sou hoje em função desses acontecimentos. Fazer cultura era uma atitude política”, relembra Bodanzky.

Sobre Jorge Bodanzky

Cineasta e fotógrafo, nasceu em São Paulo em 1942. Ingressou na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Brasília (UnB) em 1964, onde foi aluno de Athos Bulcão, Amélia Toledo e Luiz Humberto, entre outros. Depois das invasões dos militares à UnB e a demissão da maior parte de seus professores, em 1965, foi para a Alemanha cursar Cinema na Escola de Ulm. Começou sua carreira como repórter fotográfico para o Jornal da Tarde, o O Estado de S. Paulo, as revistas Realidade e Manchete, e também para publicações alemãs. Como cineasta, realizou documentários e filmes com Hector Babenco, Antunes Filho, Maurice Capovilla e outros. Seu mais conhecido e premiado filme é de 1974: Iracema, uma transa amazônica, censurado no Brasil por seis anos. Atualmente, é colunista de vídeo do site da revista ZUM.

SERVIÇO

Exposição Brasília

Fotografias de Jorge Bodanzky

De 24 de março a 2 de julho
Espaço Itaú de Cinema – Frei Caneca
R. Frei Caneca, 569 – Consolação
De segunda-feira a domingo, das 13h às 22h
Entrada gratuita

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 23 janeiro, 2017 12:44


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Aprendiz de Espiã

Facebook