“Eu quero é cantar!” diz a Elis de Andréia Horta no longa sobre a cantora

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 20 outubro, 2016 18:49

“A única coisa que eu quero fazer na minha vida é poder cantar, bicho. Só isso que eu quero fazer. Eu quero cantar!”, diz Elis Regina, com voz embargada, no trailer de ELIS, filme dirigido por Hugo Prata. No longa-metragem, Andréia Horta vive a “Pimentinha”, cantora que conquistou o país com seu sorriso franco, a falta de papas na língua e, sobretudo, uma voz única. O longa chega aos cinemas em 24 de novembro. A produção é da Bravura Cinematográfica, distribuição da Downtown Filmes e Paris Filmes e coprodução da Globo Filmes e Academia de Filmes.

Vencedor de três Kikitos no 44º Festival de Gramado – melhor filme pelo júri popular, melhor atriz para Andréia Horta e melhor montagem para Tiago Feliciano -, o longa traz algumas das mais relevantes passagens da carreira e vida pessoal da gaúcha como a chegada ao Rio de Janeiro no dia do Golpe de 1964; o primeiro contato com o boa praça Luiz Carlos Miéle e o charmoso Ronaldo Bôscoli, seu primeiro marido; o rápido sucesso e amadurecimento musical; o terror imposto pelos militares; a parceria amorosa e artística com o pianista César Camargo Mariano, que rendeu espetáculos históricos como “Falso Brilhante”; a maternidade e o fim da vida.

No elenco estão Lucio Mauro Filho, como Miéle; Caco Ciocler, como César Camargo Mariano; Julio Andrade, como o dzi croquette Lennie Dale; Gustavo Machado, como Ronaldo Bôscoli e Zécarlos Machado, como Romeu, pai de Elis. Em participações especiais destacam-se Rodrigo Pandolfo, como Nelson Motta; Isabel Wilker, como Nara Leão; Icaro Silva, como Jair Rodrigues e Natallia Rodrigues. O filme foi rodado no Rio de Janeiro, em São Paulo e em Paris entre agosto e setembro de 2015.

A vida de Elis Regina – indiscutivelmente a maior cantora brasileira de todos os tempos -, é contada nesta cinebiografia em ritmo energético e pulsante. A trendsetter cultural que sinalizou a mudança de estilos de Bossa Nova para MPB, a “pimentinha” ardente (brilhantemente interpretada por Andréia Horta), que viveu uma vida turbulenta. Ao mesmo tempo em que se chocava com a Ditadura Militar no Brasil, ela lutou com seus próprios demônios pessoais. “Elis”, o filme, está imbuído da alma da cantora e do país que ela amava.

elis-20outubro2016

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 20 outubro, 2016 18:49


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!