Orquestra Sinfônica de Minas Gerais executa Danças Polovtsianas, O Pássaro de Fogo e Peer Gynt

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 julho, 2016 17:10

Orquestra Sinfônica de Minas Gerais executa Danças Polovtsianas, O Pássaro de Fogo e Peer Gynt

Composições russas do período Romântico marcam as apresentações da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais nas séries Sinfônica ao Meio-Dia e Sinfônica em Concerto. Sob regência do renomado maestro paulistano Roberto Minczuk, e participação especial do Coral Lírico de Minas Gerais, a OSMG executa Danças Polovtsianas, da ópera Príncipe Igor, de Alexander Borodin; e a suíte O Pássaro de Fogo, de Igor Stravinsky. O repertório traz, ainda, as suítes 1 e 2 de Peer Gynt, do norueguês Edvard Grieg, considerada a peça mais importante da carreira do compositor.

Vencedor do Grammy Latino de Melhor Álbum Clássico com o CD Jobim Sinfônico, em 2006, além de maestro Emérito da Orquestra Sinfônica Brasileira e da Filarmônica de Calgary, no Canadá, Roberto Minczuk é um dos regentes mais respeitados da música brasileira. Após 20 anos, se reencontra com a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais para reger duas apresentações que sintetizam todas as singularidades harmônicas do período Romântico.

Segundo a diretora de produção artística da Fundação Clóvis Salgado, Cláudia Malta, as duas apresentações são uma ótima oportunidade para que o público se encante tanto com as composições românticas quanto com o maestro convidado. “Estamos muito felizes com o retorno do maestro Roberto Minczuk a Belo Horizonte, para reger a nossa Orquestra. Um repertório tão bonito e desafiador como o que foi pensado para as séries ao Meio-Dia e em Concerto merece a regência de um profissional com a competência e o carisma de Roberto Minczuk”, destaca.

A pérola de Grieg

Os concertos têm início com a apresentação das suítes 1 e 2 de Peer Gynt, do norueguês Edvard Grieg. Considerada a obra mais emblemática da carreira do compositor, a peça descreve elementos folclóricos típicos da Noruega, destacando um forte espírito nacionalista, além da magia dos contos de fadas.  As duas suítes executadas pela OSMG narram a trajetória de Peer Gynt, uma espécie de anti-herói que é conduzido ao exílio. Protagonista da peça teatral de mesmo nome, escrita pelo também norueguês Henrik Ibsen, Peer viaja por locais exóticos e descobre um mundo diferente.

De acordo com o maestro Roberto Minczuk, Peer Gynt é uma das mais belas obras do romantismo. A forma como Grieg descreve o caminho percorrido por Gynt no exílio é deslumbrante, devido às modulações e estruturas harmônicas que criam todo o dinamismo e técnica musical que a obra imprime.

Os clássicos russos

Do folclore norueguês, o repertório passa para importantes peças do Romantismo da Rússia: Danças Polovtsianas, da ópera Príncipe Igor, de Borodin; e a suíte O Pássaro de Fogo, de Stravinsky. O período Romântico da música clássica revelou grandes obras para o mundo, em especial, de artistas russos, que se destacaram por criar peças descritivas, enaltecendo as raízes culturais de seu país.

As Danças Polovtsianas fazem parte da ópera Príncipe Igor, que narra a campanha de Igor Svyatoslavich contra os invasores polovtsianos, no século XII. Reconhecidas como um dos trabalhos mais importantes do compositor, as danças também mesclam instrumentos e vozes, para descrever um momento de entretenimento do príncipe. Com participação do Coral Lírico de Minas Gerais, a Orquestra Sinfônica vai interpretar os números 8 e 17 das Danças, fragmentos da composição que, segundo Roberto Minczuk, têm uma exuberância orquestral inigualável, graças aos belos solos de instrumentos de sopro, como o oboé e o clarinete.

O Concerto se encerra com um balé composto por Stravinsky, que também buscou inspirações em lendas da Rússia: O Pássaro de Fogo. A obra, que garantiu projeção e reconhecimento internacionais na carreira do compositor, cria uma estrutura harmônica inovadora, optando por diferentes escalas musicais na composição. As combinações instrumentais também são características marcantes da peça. Cada instrumento segue uma linha melódica até certo momento da música, porém sem concluir o trecho, que é completado por outro naipe da orquestra.

O concerto do dia 13 será enriquecido com comentários do próprio maestro Roberto Minczuk, que promete contar ao público detalhes de cada obra que será apresentada.

SERVIÇO
SINFÔNICA AO MEIO-DIA com o Maestro convidado ROBERTO MINCZUK
Data: 12 de julho
Horário: 12h
Local: Grande Teatro Palácio das Artes
Endereço: Av. Afonso Pena, 1537 – Centro
Entrada Gratuita

SINFÔNICA EM CONCERTO com o Maestro convidado ROBERTO MINCZUK
Data: 13 de julho
Horário: 20h30
Local: Grande Teatro Palácio das Artes
Endereço: Av. Afonso Pena, 1537 – Centro
Ingressos: R$30,00 (inteira) e R$15,00 (meia)

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 julho, 2016 17:10


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Facebook

Paris Pode Esperar


Um Tio Quase Perfeito