Políticas públicas que deram certo são destaque no Canal Futura

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 18 março, 2016 18:28

Legalização do aborto e da maconha, licença paternidade, sistema prisional e outros temas polêmicos serão destaque na série documental “Sala de Notícias – Políticas públicas que deram certo”, que estreia na tela do Futura no dia 21 de março (segunda-feira). Comandado pela jornalista Eliza Capai, a nova temporada do programa apresenta cinco reportagens documentais sobre experiências de políticas públicas positivas no Uruguai, na Suécia e no Brasil.

diretora_eliza capai_foto by andre manteli 01

Distribuição de renda_04

“Eu trabalho com questões sociais e é normal nessa área ver muitos problemas, muitas situações de violência. Chegou uma hora que cansei e precisava ver exemplos positivos para voltar a acreditar que era possível transformar as nossas sociedades. Então, eu peguei alguns temas que são tabus no Brasil e que são difíceis de serem discutidos. A partir deles busquei exemplos positivos: países que conseguiram enfrentar esses problemas e solucioná-los em boa parte”, conta Eliza.

O primeiro episódio, que vai ao ar no dia 21 (segunda-feira), abordará os impactos da legalização da maconha no Uruguai. Para entender quais benefícios a medida trouxe para o combate ao tráfico de drogas e o que mudou na vida dos uruguaios, Eliza Capai entrevistou usuários e especialistas no assunto. Na terça-feira (22/3), a série apresenta a maior licença parental do mundo: na Suécia os pais têm direito a 480 dias que podem ser divididos entre a mãe e o pai. Na quarta-feira (23/3), o Brasil entra em cena com os programas de renda contra a pobreza. No episódio de quinta-feira (24/3), o sistema prisional não punitivo da Suécia mostra que é possível diminuir o número de presos ano após ano. Para fechar, na sexta-feira (25/3), a legalização do aborto no Uruguai mudou a realidade das mulheres.

Licença paternidade_ 03_Erik

Maconha_01_Mauricio

Prisões 01

Sobre Eliza Capai

Jornalista formada pela ECA/USP. Desde 2001, dirige documentários com temáticas sociais e de gênero. Como correspondente internacional, já produziu em mais de 25 países. Em 2015 viajou por Angola junto a Agencia Publica de Jornalismo Investigativo, de onde produziu a webserie “É proibido falar em Angola”.

Em 2014, Eliza realizou os vídeos da webserie “Linhas” do Greenpeace: em seu primeiro mês, os vídeos somaram mais de 500 mil visualizações. A série foi selecionada pelo Prêmio Garcia Marques de Jornalismo Ibero-americano em 2015. No ano anterior, seu curta “Severinas” foi finalista do mesmo Premio. Da mesma viagem surgiu o curta No devagar depressa dos tempos, que estreiou com Premio do Publico do Festival de Vitória.

Em 2013, lançou seu primeiro longa, “Tão Longe é Aqui”, no Festival do Rio com prêmio de Melhor Filme na Mostra Novos Rumos. “Tão longe” foi premiado em todos os festivais dos quais participou e atualmente é exibido pelo Canal Brasil. Em 2012, Eliza recebeu o Prêmio CNT de Jornalismo na categoria “meio ambiente” pelo documentário “Cicloativistas”. O video “What does it cost to change the world?”, codirigido por Eliza para o Wikileaks, viralizou na internet somando mais de um milhão de views.

Sala de Notícias – Políticas Públicas que deram certo

Exibição: de segunda a sexta-feira, às 14h35 e 20h45 no Canal Futura
Reprise: Sábado e Domingo, às 14h30
Duração: 20 min

SAIBA MAIS SOBRE OS EPISÓDIOS:

Onde maconha é legal

O documentário discute as motivações da legalização da maconha no Uruguai e os impactos da medida no tráfico de drogas e na vida das pessoas. Foram entrevistados participantes de clubes de maconha, usuários da folha como medicamento e um jornalista especialista na erva.

Onde mãe é mãe e pai é pai

A Suécia tem a maior licença parental do mundo: são 480 dias que podem ser divididos entre mãe e pai como desejarem. O documentário busca entender como esta medida impacta nas relações de gênero e na sociedade. Foram entrevistados dois pais que decidiram dividir igualmente os dias de licença com suas companheiras,  uma psicóloga que observa as questões que surgem nesta nova geração de homens e um casal que divide todas as atividades do lar – tentando entender como isto repercute na educação de seu filho. 

Quando escravidão deixa de ser frase no presente

O documentário acompanhou mulheres do Sertão Nordestino que recentemente viraram beneficiarias de programas de renda contra a pobreza. A partir da pesquisa de Walquiria Domingos Leão Rego e Alessando Pinzani, que afirma que o Bolsa Família está iniciando um processo de autonomia feminina no sertão brasileiro, Eliza Capai investiga as mudanças decorrentes das mulheres passarem a receber a única renda fixa em suas famílias e saírem da linha de miséria.

Onde prisão não rima com punição

Na década de 1950, a Suécia mudou o seu sistema prisional e observa o número de presos diminuir ano após ano. Em um presídio de segurança máxima, Eliza Capai entrevista presos e a diretora que defende direitos humanos e uma prisão não punitiva. Além disso, um ex-policial militar brasileiro e policial na Suécia reflete sobre como é vista a questão da segurança pública, da democracia e da legalidade no treinamento dos policiais e na sociedade.

Onde o Estado é mãe

O documentário tenta entender como foi sancionada a lei que legaliza o aborto no Uruguai e o que ela muda na realidade das mulheres.  Foram entrevistadas mulheres que abortaram antes da lei e que abortaram durante a nova medida, uma feminista das antigas e uma jovem feminista do movimento que ajudou a unir vários grupos e dar força para a aprovação da lei. A reflexão extrapola para a organização de movimentos para a aprovação de políticas publicas.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 18 março, 2016 18:28


Escreva um comentário

1 Comentário

  1. Karen Corti março 27, 18:40

    Interessante! Será disponibilizado no YouTube?

    Responder a esse comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Brincando com Fogo

Facebook

Reino Gelado e a terra dos espelhos