Valsa nº6, da Cia. Teatro Portátil, reestreia no Teatro Dulcina

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 1 março, 2016 15:08

Sônia, personagem de Nelson Rodrigues no monólogo Valsa nº 6, escrito em 1951, foi assassinada aos 15 anos. Em cena, ela tenta se lembrar do que aconteceu e, aos poucos, vai reconstruindo suas memórias. Na montagem da Cia Teatro Portátil, Sônia é uma boneca, manipulada pelos atores Flávia Reis, Julia Schaeffer, Ana Moura e Guilherme Miranda. Com direção de Alexandre Boccanera, a peça estará em cartaz no Teatro Dulcina a partir de 11 de março. A temporada será de sexta a domingo, até 27 de março, com ingressos a preços populares: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

A linguagem de animação, que permeia a trajetória da companhia, destaca a poesia presente no texto. “Nelson foi um inventor de linguagem e merece ser tratado como tal”, afirma Alexandre Boccanera. A proposta de encenação busca valorizar a essência do texto, já que “a peça tem o formato de um poema dramático”, conclui o diretor.

Em cena Flávia Reis e Julia Schaeffer, Ana Moura e Guilherme Miranda (também diretor musical), manipulam a protagonista: a boneca Sônia. Sem descaracterizar o monólogo, que é levado ao palco na íntegra, ela contracena com seus manipuladores para dar vida a este universo poético. Um piano fragmentado e projeções de desenhos animados compõem o cenário de memórias da personagem que busca remontar a sua história.

A ideia de encenar uma obra de Nelson Rodrigues com animação partiu da atriz Flávia Reis. Nos espetáculos anteriores a Cia Teatro Portátil, que desenvolve uma pesquisa sobre a linguagem da animação, criou o próprio roteiro de encenação. A atriz destaca que a temática do texto foi primordial para a escolha. “A peça questiona nossa existência. Colocar uma boneca – um objeto inanimado – em cena, cheio de vida, indagando ao espectador sobre o que é estar vivo, representa para mim uma metáfora dessa questão”, explica Flávia.

As memórias de Sônia são projetadas em filmes de animação, criação da dupla de Beatriz Carvalho e Diogo Nii Cavalcanti. A proposta é trabalhar com diferentes dimensões narrativas e metafóricas, reais e fictícias, presentes na peça. “É uma experiência estética muito especial”, define Flávia.

A temporada de “Valsa nº6”, no Teatro Dulcina, integra a programação do “Projeto Palco Portátil – 3ª edição” patrocinado pelo Ministério da Cultura, Governo Federal, Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Valid, Promon, Crase Sigma, KS Esporte Cultura e Lazer, Ancar Ivanhoe Shopping Centers, Servenco e Projectlab.

SERVIÇO
Espetáculo: Valsa nº 6
Temporada: De 11 a 27 de março de 2016.
Local: Teatro Dulcina
Endereço: Rua Alcindo Guanabara 17 – Centro
Informações: (21) 2240-4879
Datas: Sexta e sábado, às 19h. Domingo, às 18h.
Capacidade: 429 lugares
Duração: 50 minutos
Classificação indicativa: 14 anos
Gênero: Drama
Ingressos: R$10 (meia) e R$20 (inteira)
Horários da bilheteria:
De quarta a domingo, das 14h às 20h.

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 1 março, 2016 15:08


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook