Silvio Tendler estreia na TV Brasil “Há muitas Noites na Noite”

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 4 dezembro, 2015 17:11

O premiado cineasta Silvio Tendler estreia na TV Brasil, no próximo dia 5 de dezembro, às 23h45, seu mais novo projeto: a série inédita “Há muitas Noites na Noite”, inspirada em “Poema Sujo”, a mais ousada e polêmica obra do escritor e ensaísta Ferreira Gullar, um dos fundadores do neoconcretismo, que completou 85 anos no dia 10 de setembro de 2015.

Maria Bethânia

Dividida em sete episódios semanais, com 26 minutos cada, a série documental registra a trajetória pessoal e politica de Ferreira Gullar, desde 1964, quando poeta integrou o CPC, seu exilio na Rússia e em alguns países da América Latina e todas as dificuldades e tristezas decorrentes da distância do seu país. Em 1975, durante o exílio em Buenos Aires, longe da mulher e dos filhos que haviam retornado para o Brasil, Gullar resolve escrever o que considera ser sua última obra. “Poema Sujo” foi trazido por Vinicius de Moraes numa fita, transformado em manifesto e publicado em 1976, numa noite de autógrafos sem a presença do autor. A série de TV se encerra no ano de 1978, quando Gullar retorna ao Brasil e é interrogado e torturado pelo DOPS, um dia após o seu desembarque no Rio de Janeiro.

Com a participação de um grande grupo de intelectuais, artistas e amigos que utilizavam a arte para transmitir suas ideias políticas, através de depoimentos, leitura de trechos do poema, ou mesmo cantando.  Estão presentes na série nomes como Agildo Ribeiro, Sergio Cabral, Zelito Viana e Vera de Paula, Maria Bethânia, João das Neves, Raimundo Fagner, Eduardo Galeano, Eric Nepomuceno, Alcione, Amir Haddad, Eduardo Tornaghi, Elisa Lucinda, Sergio Britto, Edu Lobo, Cecília Boal, Pedro Luis, Zeca Baleiro, Antonio Carlos Secchin, Cacá Diegues, Cecil Thiré, Ziraldo, Zuenir Ventura, entre outros.

O projeto da série de TV “Há muitas Noites na Noite” teve início em 2010, antes mesmo de Silvio Tendler estrear a videoinstalação homônima, que ocupou o Oi Futuro de Ipanema nos meses de novembro e dezembro daquele ano. Na ocasião, o cineasta concebeu um café literário, que funcionou como work in progress para levar o projeto para a TV.

Episódios ”Há Muitas Noites na Noite

O primeiro episódio de “Há muitas Noites na Noite” faz uma viagem à década de 1960 e apresenta o já renomado poeta Ferreira Gullar, como membro do CPC (Centro Popular de Cultura da UNE). Com o golpe de 1964, Gullar entra para o Partido Comunista como forma de se posicionar em relação à ditadura militar e membros do então ilegal CPC fundam o Grupo Opinião, do qual participam, entre outros Vianinha, João das Neves, Thereza Aragão (esposa de Gullar), Zé Keti, Nara Leão e, posteriormente, Maria Bethânia. Com espetáculos de sucesso de público e crítica, o Opinião se torna uma das mais importantes formas de resistência artística à ditadura.

Em 1968, Gullar é denunciado como dirigente do Partido Comunista e entra para a clandestinidade afastando-se da família e da vida social, sendo obrigado a viver escondido na casa de amigos, onde um quarto fechado passa a ser seu cenário cotidiano. Quando se vê sem mais opções, o poeta parte para o exílio. “Poema Sujo” foi escrito em Buenos Aires, em 1975, onde Ferreira Gullar esteve exilado, e publicado em livro no Brasil em 1976. O poema narra as memórias do escritor num processo de digressão desde que ele deixou o Maranhão, nos anos 50, rumo ao Rio de Janeiro, Brasília, Moscou, Lima e Santiago do Chile. Na obra, Gullar fala do homem que se debruçou sobre o papel para escrever e encontrar refúgio em suas memórias e tornou-se forte para viver o dia-a-dia das revoluções.

No segundo episódio, Gullar desembarca em Moscou onde vai para Escola de Quadros, um centro de ensinos que funcionava clandestinamente na URSS. O poeta, amante das praias cariocas e do convívio com os amigos, vivencia o choque cultural e sofre por estar longe dos amigos e da família. Lá, o poeta conhece Elôina, com quem vive uma intensa paixão, interrompida bruscamente pelo término de seu curso e a imposição de retornar à América Latina. Impossibilitado de voltar a Brasil, Gullar vai para o Chile, onde um iminente golpe de estado o obriga a retornar a vida clandestina, até que a consumação deste golpe o obriga a fugir para outro país, dessa vez o Peru.

O terceiro episódio mostra a mudança da família de Gullar para o Peru, onde o poeta passa a escrever clandestinamente para jornais e revistas no Brasil como forma de ganhar dinheiro. Essa mudança tem consequências drásticas: os filhos Paulo e Marcos se envolvem com drogas e a filha Luciana praticamente abandona a família para viver em uma comunidade religiosa. Mudam-se, então, para Buenos Aires, mas a família já está inteiramente abalada. Um primeiro desaparecimento de Paulo, seguido de outros que culminarão em sua internação, fazem Thereza retornar para o Brasil com os filhos, deixando Gullar sozinho ainda sem notícias do filho, e em meio a ataques que tentavam tirar Isabelita Perón do poder e capturar exilados brasileiros para entregar ao governo de seu país. Sem esperança e com o risco da morte certa, o poeta se senta para escrever o que seria seu poema final, que acabou por tornar-se uma das mais importantes obras da literatura brasileira.

Nos episódios 4, 5 e 6, o “Poema Sujo” é apresentado em três partes, através de uma leitura da obra por diversos artistas e intelectuais, e com uma série de imagens e animações criadas especialmente para o poema. O poeta coloca no papel o que foi vivido e explora a relação do homem com sua cidade, percorrendo desde sua infância em São Luis do Maranhão até o exílio e relação de passado e presente, das coisas deixadas, esquecidas, dos diferentes pontos de vista, e as diferentes velocidades e ritmos existentes em um dia e uma noite, em uma cidade, um país, na vida e no corpo de um homem.

O último episódio mostra o encontro de Gullar com Vinicius de Morais em Buenos Aires. Ao ouvir sobre o poema, Vinicius organiza uma leitura para amigos na casa de Augusto Boal e Cecília (sua esposa). O poema emociona a todos e é gravado em uma fita de áudio, que é trazida ao Brasil. Em pouco tempo a fita começa a circular e a notícia do poema se espalha. Enio Silveira organiza encontros com amigos e intelectuais para ouvir a famosa fita e pede a Gullar que envie os originais, que resultam na publicação do poema, em 1976, marcada por uma noite de autógrafos sem a presença do autor. Com a situação política brasileira demonstrando melhora e a saudade insuportável de seu país e sua cidade, o poeta decide retornar. Thereza vai a seu encontro e, em 1977, desembarcam no Rio de janeiro. Após um dia em terra, Gullar é intimado a comparecer ao DOPS, onde é submetido a um interrogatório de 72 horas, seguido a torturas físicas e psicológicas.

Serviço – Série “Há Muitas Noites na Noite”: Muitas Noites na Noite”:

Estreia na TV Brasil: 5 de dezembro de 2015 (sábado)
Demais Episódios: Dias 12, 19 e 26/12/2015 e 2, 9 e 16/01/2016.
Horário: 23h45
Duração de cada episódio: 26 minutos
Classificação etária: livre

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 4 dezembro, 2015 17:11


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

De Repente uma Família

Facebook

O Doutrinador