Banda Gentileza lança Nem Vamos Tocar Nesse Assunto

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 8 julho, 2015 14:07

Da autossabotagem à sensatez, Nem Vamos Tocar Nesse Assunto, segundo álbum da Banda Gentileza, não só toca como afunda o dedo em feridas abertas e lugares-comuns.

Seis anos desde o disco de estreia, e após sofrer algumas mudanças de formação, o agora quarteto rearranjou a proposta sonora, mas manteve a estranheza pop. Com duas guitarras, baixo, bateria e alguns tecladinhos incidentais, o grupo voltou a atenção para músicas mais diretas e passou a dar bola para coros, presentes em praticamente todas faixas do novo trabalho. É, sem dúvida, uma obra para cantar junto.

Frutos de um ano de ensaios e composições, os títulos são temperados pela variedade, sem excessos de instrumentação, e contam com produção da dupla Gustavo Lenza e Zé Nigro — responsáveis por álbuns, juntos ou separados, de artistas como Céu, Apanhador Só e Curumin. Em pouco mais de 30 minutos, Nem Vamos Tocar Nesse Assunto funde rock experimental, spoken-word, punk cigano e noise. Pesado, frenético e dançante, impressiona pela exuberância eclética.

As letras ainda são grandes atrativos da banda. O tema de abertura, apenas com piano e vozes, mostra a que veio: “Eu sempre quis (…) escrever novos clássicos do sofrer/ Exaltando a idoneidade daquele que se iludiu/ Onde é que já se viu alguém escrever bem/ Sem romper o amor que estava por um fio?”.

O desamor segue em frente nas canções do vocalista Heitor Humberto. Na distorcida “Espiões“, por exemplo, ele crava: “De todos os meus deslizes, você só soube do menor”. A mesma música termina com o golpe final “o teu perdão não justifica o meu”. “Por Onde Anda” persegue aquela pessoa de espírito livre, que proporciona bons momentos, mas some por tempo indeterminado e reaparece quando você já se habituou à ausência.

Convidados

Entre as participações especiais do disco estão Lauro Ribeiro (trombone) e Marc Olaf (piano, teclado e flauta transversa), do sexteto Trombone de Frutas, bem como Hudson Muller (saxofone e trompete), o percussionista Maurício Badé (Criolo) e o produtor Zé Nigro (teclas e percussão).

A mixagem ficou a cargo de Gustavo Lenza e a masterização nas mãos de Felipe Tichauer em seu estúdio em Miami, nos Estados Unidos. As gravações se dividiram entre Curitiba (Nico’s Studio) e São Paulo (Estúdio Navegantes), de janeiro a abril deste ano.

A capa é ideia conjunta entre os músicos e o designer Jaime Silveira (ruído/mm, Jair Naves), responsável pelo projeto gráfico do CD — a foto é de Vinicius Grosbelli. O nome do álbum aparece na letra de “Pesadelo” e deixa aberto ao público escolher o assunto sobre o qual não quer falar. A banda não quer comentar sobre isso.

Sem compromisso com a tradição

A Banda Gentileza é hoje um dos principais artistas da música autoral independente do Paraná. Com dez anos de estrada, as ideias e invenções estão em todos os processos pelos quais passa a obra do grupo.

Nas composições, já misturou valsa com música balcânica e samba com bolero. Na divulgação, vendeu disco que vinha com raspadinha da loteria, produziu vídeo aula de coreografia seguido de concurso de dança nos shows e até criou um game para Facebook em que os integrantes eram personagens em 16 bit — a trilha, o single “Quem Me Dera”, cujo videoclipe inspirou o jogo.

Entre o primeiro álbum, homônimo, de 2009, e o novo trabalho, alguns bons anos se passaram. Nesse tempo, eles circularam pelo Brasil, viram seu disco ser apontado como um dos melhores lançamentos nacionais daquele ano e tiveram uma música, “Afinal de Contas”, incluída na trilha sonora da novela Malhação e no filme “Julio Sumiu”, longa metragem estrelado por Lilia Cabral. Explosiva nos palcos, foi eleita duas vezes como a responsável pelo melhor show da cidade natal, em votação realizada com jornalistas, blogueiros e produtores.

É formada por Bruno Castilho (bateria, percussão e vozes), Diego Perin (baixo e vozes), Heitor Humberto (vozes, guitarra, violão e violino) e Jota Borgonhoni (guitarra, viola caipira, piano, teclado e vozes).

SERVIÇO
Banda Gentileza
Nem Vamos Tocar Nesse Assunto (Independente, 2015)
LP: R$ 50
CD: R$ 20
Download gratuito: www.bandagentileza.com.br
YouTube: http://bit.ly/1NJPQdO
Streaming: iTunes, Deezer, Google Play, Napster Brasil, Rdio, Spotify, entre outros (a partir de 13/7)

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 8 julho, 2015 14:07


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!