Documentário sobre Cássia Eller tem data de estreia confirmada no dia em cantora faria 52 anos

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 12 dezembro, 2014 11:11

Se estivesse viva, a cantora Cássia Eller comemoraria na última quarta, dia 10, 52 anos. E é nesta data que o documentário sobre a artista, CÁSSIA, de Paulo Henrique Fontenelle, tem sua estreia confirmada. Depois de arrancar aplausos e lágrimas no Festival do Rio 2014, no qual participou como hour concours, e ganhar o prêmio do público de melhor documentário na 38ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, o filme estreia em todo o país em 29 de janeiro de 2015.

A timidez, a relação de Cássia com as drogas, o sucesso, a gravidez inesperada, a pressão da fama, as amizades e a sua morte são alguns dos assuntos abordados no filme. Os depoimentos de familiares, como a companheira Maria Eugênia Martins e o filho Chicão; de amigos como Deborah Dornellas; de jornalistas como Tárik de Souza e Arthur Dapieve; e artistas como Zélia Duncan, Nando Reis e Oswaldo Montenegro, aparecem mesclados a imagens de shows, ensaios, entrevistas e cenas da intimidade da cantora.

– As músicas da Cassia Eller fazem parte da trilha sonora da vida de muita gente. Sua arte e sua atitude continuam emocionando e influenciando as pessoas. Mas eu queria ir além e mostrar o outro lado dessa mulher que pouca gente conheceu. Uma figura tão ou mais admirável que a artista, que amava a família, o filho, os amigos era extremamente amorosa e tímida e que tinha na música e no ato de cantar uma necessidade de vida – afirma o diretor, Paulo Hernrique Fontenelle.

Companheira de Cássia por 14 anos, Maria Eugênia comenta, em depoimento, a transformação de Cássia nos palcos. “Eu tinha a sensação que ela recebia um santo mesmo, era uma coisa doida aquilo ali! Ela se transformava no palco, não era a mesma pessoa”. Em entrevista, a própria Cássia admitia que a música foi a maneira que encontrou para driblar a timidez. “Eu tenho vergonha das pessoas. Eu tenho medo das pessoas, medo de gente. A música foi uma fuga da minha incapacidade de viver socialmente com as pessoas”, revelou.

Perguntado sobre as lembranças da mãe, Chicão conta que tem algumas memórias da infância e revela que queria ter vivido mais com ela. “Lembro de jogar bola com ela, andando de skate. Eu já procurei, essas coisas vão surgindo das minhas conversas com minha mãe (Eugênia) sobre a história. Eu nunca procurei o passado da minha mãe, eu só sei porque ela é minha mãe, as pessoas me contam, perguntam certas coisas, nunca fui pesquisar, acho que não preciso”, opina. Já Nando Reis se emociona ao lembrar da amiga. “A forma como eu gostaria que ela estivesse presente não é possível. Isso é muito triste, não há como diminuir essa tristeza. Eu queria encontrá-la, ligar pra ela, gravar com ela. A minha relação com ela, a falta que ela faz é de uma forma que é muita íntima”.

– Foi um grande prazer produzir Cassia. Além de uma importante memória pra cultura musical brasileira, é também um filme sobre a nossa sociedade e sua evolução. O resultado dele é emocionante e belíssimo. Ficamos todos muito felizes com o resultado e com a recepção do público tanto no Festival do Rio quanto na Mostra São Paulo – comenta a produtora Iafa Britz.

O documentário é produzido pela Migdal Filmes, distribuído pela H2O Films, tem coprodução do GNT, da TeleImage e do Funcine e é patrocinado por Cinemark e BBDTVM.

Cássia Eller é uma figura icônica da música brasileira. Sua breve, porém marcante passagem pelo cenário musical nos anos 90 deixou uma marca inegável na cultura e história musical. Sob um aspecto social,sua morte, teve uma repercussão nacional que segue até hoje, por conta da guarda de seu filho, que acabou ficando, surpreendentemente, com sua parceira Eugênia. Cássia foi uma figura que deixou um impacto tanto cultural, quanto social, expondo tabus e demonstrando sua força como pessoa pública.

Paulo Fontenelle

Formado em Cinema, Radialismo e Jornalismo, Paulo Henrique Fontenelle é editor e diretor de programas, documentários desde 1998. Fontenelle também dirigiu DVDs musicais de artistas como Zeca Baleiro, Olivia Hime, Danilo Caymmi, entre outros. Dirigiu e produziu o curta-metragem “Mauro Shampoo” (2006), que ganhou mais de 20 prêmios de melhor filme – no Brasil e exterior. Seu primeiro longa, “Loki” (2008), rendeu mais 10 prêmios de melhor filme no Brasil, em Nova York, em Toronto e em Miami e ficou quatro meses em cartaz no Brasil. Em 2013, Paulo Fontenelle lançou o documentário, “Dossiê Jango”, que levou os prêmios de Melhor Documentário, eleito pelo Júri Popular do Festival do Rio, Melhor Longa Metragem,  eleito pelo Júri Popular da Mostra Tiradentes 2013 e melhor filme da Mostra DocFAM 2013.

CÁSSIA-Official Poster-12DEZEMBRO2014-00

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 12 dezembro, 2014 11:11


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

MIB: Homens de Preto

Facebook

Kardec