RIGOLETTO, nova montagem da Fundação Clóvis Salgado

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 outubro, 2014 15:08

Com uma semana de antecedência à estreia, o público poderá conferir trechos da ópera Rigoletto, de Giuseppe Verdi, nova montagem operística da Fundação Clóvis Salgado, com Direção Musical de Marcelo Ramos e Direção Cênica de André Heller-Lopes. A Orquestra Sinfônica, o Coral Lírico de Minas Gerais e solistas convidados antecipam parte da apresentação no dia 12, em concerto gratuito, no Parque Municipal. A regência é do maestro Marcelo Ramos.

Rigoletto é a ópera que deu início à reputação internacional do compositor Giuseppe Verdi (1813-1901).  Em síntese, é uma história de corrupção política e moral em que todos são vilões e sentem na pele o resultado amargo de suas transgressões. Três personagens dominam a cena na ópera de Verdi:  o corcunda e bobo da corte Rigoletto, o aristocrata galanteador Duque de Mântua e a filha de Rigoletto, apaixonada pelo Duque, Gilda. Uma trágica maldição lançada pelo Conde Monterone sobre Rigoletto, quando este zombou de sua dor com a desonra da filha, é o  pano de fundo da história. Esta maldição assombra Rigoletto desde o início da trama, indo concretizar-se ao final, de maneira trágica.

UM PANORAMA DE RIGOLETTO

No concerto de domingo, o público conhecerá 11 canções que integram os 3 atos da obra de Giuseppe Verdi, com a participação dos solistas convidados, as sopranos Lina Mendes e Danielle Rocha, no papel de Gilda, e Denise de Freitas, como Maddalena; os tenores, Jean Nardoto, interpretando o Duque de Mântua, e Thiago Soares, no papel de Matteo Borsa, além do barítono Rodolfo Giugliani, interpretando Rigoletto, o personagem principal, e o baixo Mauro Chantal, como Sparafucile. De acordo com o maestro Marcelo Ramos, as músicas escolhidas retratam diversos momentos do enredo e traçam um panorama da ópera.

A participação dos solistas convidados exige da orquestra uma dinâmica diferente. O grande desafio, segundo Marcelo Ramos, é o equilíbrio entre as vozes e a orquestra. “A grande questão de uma ópera bem feita é não deixar a orquestra se sobrepor às vozes, mas Verdi já escreve suas obras de forma a facilitar o trabalho do maestro nesse sentido”, pontua. Na produção da Fundação Clóvis Salgado, a ópera será retratada conforme enredo original, em três atos.

Entre as peculiaridades de Rigoletto, Marcelo Ramos chama a atenção para a valorização das vozes graves. “Os compositores, até a época de Verdi, valorizaram muito os tenores e os sopranos. Verdi muda isso e dá papéis importantes para o baixos e os contraltos. Em Rigoletto, ele ousa ainda mais e coloca um barítono como personagem principal”, exemplifica o regente.

RIGOLETO EM BELO HORIZONTE

Na capital, completam a montagem  o cenográfo Renato Theobaldo; a figurinista Sofía Di Nunzio; e a iluminação de Fábio Retti. Solistas convidados se revezam nos papeis principais e se apresentam ao lado da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, do Coral Lírico de Minas Gerais e da Cia de Dança SESIMINAS.

SERVIÇO
RIGOLETTO
Data: 12 de outubro
Horário:
10h
Evento:
Concertos no Parque
Local: Parque Municipal Américo Renné Giannetti
End.: Av. Afonso Pena, 1.537 – Centro – Belo Horizonte/MG
Entrada Gratuita

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.
Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 7 outubro, 2014 15:08


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Homem Aranha - Longe de Casa

Facebook

Kardec