Universo infantil é ponto de partida para reflexões existencialistas em ESTA NÃO É UMA PEÇA INFANTIL

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 16 maio, 2014 11:04

Universo infantil é ponto de partida para reflexões existencialistas em ESTA NÃO É UMA PEÇA INFANTIL

Apesar de dialogar com princesas, rainhas, madrastas más e um mundo fantástico Esta não é uma peça infantil, com direção de Lenine Martins, não é um espetáculo voltado para crianças. Na montagem, composta por alunos formandos do Curso Profissionalizante de Teatro do Centro de Formação Artística do Palácio das Artes – Cefar, os personagens têm seus papeis e conceitos subvertidos e são utilizados para levantar questionamentos fundamentais, que muitas vezes não são respondidos nem mesmo ao atingir a maturidade. O espetáculo se ancora no humor existencialista do Teatro do Absurdo.

Com a proposta de ocupar outros espaços da cidade, o espetáculo será apresentado no Mercado das Borboletas, onde funciona uma incubadora de artes e negócios sustentáveis, localizado no Mercado Novo.

Segundo Fernanda Machado, presidente da Fundação Clóvis Salgado “é sempre gratificante acompanhar esses resultados, pois comprovam que a Instituição cumpre sua missão ao fomentar o setor cultural para os jovens artistas, criando inúmeras oportunidades para que eles conheçam as várias áreas da produção cultural e do mercado de trabalho artístico”.

Para o diretor Lenine Martins, Esta não é uma peça infantil foi concebido de forma a promover a imersão do público em toda a montagem, com a quebra da quarta parede em diversos momentos. A trilha sonora e musical, assinada pelos alunos e o diretor, é outro destaque. São músicas infantis dividindo o espaço com uma composição original e hits de bandas de pop e rock como Pink Floyd.

Lenine conta que a narrativa é orientada por Alice, inspirada na personagem homônima de Lewis Carroll, que em sua festa de aniversário é confrontada pela madrasta. Depois de uma discussão, Alice começa a pensar sobre as questões: “O que você quer da vida?”, “O que você quer ser?”. A partir desses questionamentos, se desdobram vários cenários em um mundo nada receptivo. Todas as cenas do espetáculo se passam na cabeça de Alice, dentro de seu quarto.

Entre algumas das situações da peça está uma lasciva Alice, acusada de seduzir o lobo – a suposta vítima, queixoso de ter sido enganado por uma jovem dissimulada e maldosa. Outra cena do espetáculo reúne a bonita Alice com duas bruxas horrendas. Nesse momento, Alice reivindica o direito de ser feia. Em outra situação, racismo e ditadura da beleza estão em evidência quando uma Alice negra é forçada a se travestir de Paquita.

Envolvimento integral dos alunos – A adaptação do espetáculo foi coordenada por Lenine Martins, responsável também pela dramaturgia, mas os textos e cenas foram elaborados pelos alunos. O professor trabalhou com o grupo de 17 formandos, com idade entre 20 e 40 anos, durante um ano e meio. O espetáculo surgiu da utilização de jogos e improvisações em aulas de interpretação.

Brincadeiras como dança das cadeiras, “pique-pega”, “esconde-esconde”, Telefone sem fio e o “altas” foram o ponto de partida para a concepção da estrutura do espetáculo que se ancora também na utilização de temas infantis para refletir sobre temáticas urbanas como solidão x coletivo virtual, aspirações da infância x realidade, criminalidade x contos de fada. Segundo Lenine, “tratar de assuntos tão complexos com personagens e estórias que já fazem parte da nossa imaginação é uma oportunidade e tanto, pois podemos criar contrapontos poéticos, cômicos e dramáticos na fricção entre a inocência e a crueldade”. O objetivo é criar contrapontos poéticos, cômicos e dramáticos entre inocência e a crueldade.

Os atores, divididos em comissões, participaram da concepção dos cenários, figurinos, maquiagem, iluminação, produção e trilha.

SERVIÇO
Esta não é uma peça infantil
Data: 25 de maio a 1º de junho
Horário: 20h
Local: Espaço dos Aflitos – Mercado das Borboletas
Endereço: Avenida Olegário Maciel, 742, 3º piso, Centro
Duração: 75 minutos
Classificação: 16 anos
Entrada Gratuita (lotação máxima: 60 pessoas)

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 16 maio, 2014 11:04


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!