“O Lugar do Passado”, espetáculo solo de Wilmar Amaral, estreia no Sesc Casa da Gávea

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 6 março, 2014 10:03

“O Lugar do Passado”, espetáculo solo de Wilmar Amaral, estreia no Sesc Casa da Gávea

Dois grandes escritores brasileiros, duas belas histórias de amor reunidas num espetáculo solo. O Lugar do Passado, com Wilmar Amaral e direção de Daniel Archangelo, segue fazendo história em 2014 e agora estreia no Sesc Casa da Gávea em 14 de março, sexta. O texto reúne dois contos brasileiros: Noite de Almirante, de Machado de Assis, e Viagem aos Seios de Duília, de Aníbal Machado – obras primas da nossa literatura.

As duas histórias, selecionadas e adaptadas pelo ator, têm em comum o Brasil de outras épocas, um Rio de Janeiro que o tempo e progresso fizeram desaparecer. Em Noite de Almirante temos no final do século XIX o marujo Deolindo, voltando de longa viagem de instrução, correndo em busca da amada Genoveva por locais da cidade que desapareceram no tempo. Em Viagem aos Seios de Duília, o funcionário público José Maria, nos anos 40 do século XX, ao se aposentar, não encontra outra atividade senão se debruçar na janela de sua casa em Santa Tereza, olhando para a Baía de Guanabara e relembrando um amor de juventude.

Duas histórias de amor que não se completam, dois apaixonados em busca das amadas, tentando vencer o tempo; procurando um lugar do passado que não mais existe. Histórias simples, de onde os autores extraem temas profundamente humanos e tocantes.

– “Em 1961 assisti a um filme em episódios: Esse Rio que eu Amo”, conta Wilmar. “Um dos episódios me encantou: Noite de Almirante, com Tônia Carrero e Agildo Ribeiro, adaptado deste conto de Machado de Assis, dirigido por um argentino radicado no Rio de Janeiro, Carlos Hugo Christensen.  Em 1964 vi e me impressionei com outro filme do mesmo diretor: Viagem aos Seios de Duília, com Rodolfo Mayer, baseado no conto homônimo de Aníbal Machado. Após Dirigir-se aos Homens, meu espetáculo solo com três contos russos, decidi que queria trabalhar com textos brasileiros. A busca por estes novos textos acabou me levando aos encontros e encantos de 1961 e 1964. Estas obras primas literárias que serviram de inspiração aos filmes, agora fazem parte do meu espetáculo”.

Daniel Archangelo, diretor do espetáculo, juntou-se ao ator para trazerem à cena estas emocionantes narrativas, como um contador de histórias o fazia antigamente. Com apenas um ator, o desafio maior foi traduzir cenicamente os personagens e os diferentes climas, mantendo a essência de cada história. – “São duas obras primas de nossa literatura, e traduzi-las para os palcos, em um só espetáculo, é um desafio. O caminho de nossa criação sempre se pautou pela simplicidade dos recursos. Com essa escolha elaboramos uma obra de arte que prima por sua profundidade e delicadeza. Ter apenas um ator em cena? Não imagino elemento mais rico e plural para ser trabalhado” – declara o diretor.

Wilmar Amaral é médico, pintor e ator. Estreou como ator na maturidade e vem construindo sua carreira com dedicação e amor. Esta sua paixão mais antiga, o teatro, só pôde manifestar-se tardiamente em sua vida através, primeiramente, de dois anos de curso livre de interpretação, com Roberto Bomtempo. Fez também cursos de interpretação para cinema com José Joffily e Walter Lima Jr e atuou nos curtas Para os Inocentes que Ficaram em Casa, com direção de Roberto Bomtempo, e Cara a Tapa, dirigido por Daniel Dias da Silva. Estudou também técnica de linguagem falada e cantada com a professora Elena Konstantinovna por quatro anos.

Apaixonado pela peça A Moratória, de Jorge Andrade, adquiriu os direitos de encenação e produziu o espetáculo, que marcou sua estreia como ator profissional. A Moratóriaestreou em janeiro de 2006, no teatro do Centro Cultural da Justiça Federal, no Rio de Janeiro, com direção de Daniel Dias da Silva. Em 2007, produziu e interpretou Depois Daquele Baile, de Rogério Falabella, no Teatro do Leblon, no Rio de Janeiro, de outubro a dezembro.

Em 2010 produziu e interpretou seu espetáculo mais pessoal, “Dirigir-se aos Homens”, composto de três contos de autores russos: O Avô e o Netinho, de Gorki, O Arco, de Sologub, e Angústia, de Tchekhov, que teve duas temporadas no Rio de Janeiro, no Teatro Solar de Botafogo e na Casa de Cultura Laura Alvim e, em São Paulo, no Ágora Teatro.

SERVIÇO
O Lugar do Passado – com Wilmar Amaral
Estreia: dia 14 de março, sexta
Temporada: sexta a domingo, até 27 de abril
Horário: sexta e sábado: 21hs e domingo: 18hs
Local: Sesc Casa da Gávea
Endereço: Praça Santos Dumont, 116 – Gávea/RJ
Gênero: drama
Capacidade: 60 lugares
Ingressos: R$ 40,00 (inteira) e R$20,00 (meia)
Duração: 60 minutos
Classificação: livre

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 6 março, 2014 10:03


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!