Laura Finocchiaro cultiva a música orgânica em Copy-Paste

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 janeiro, 2014 17:10

Laura Finocchiaro cultiva a música orgânica em Copy-Paste

Hoje, na maior parte das prateleiras, há um produto livre de agrotóxicos, teoricamente sadio, e que, normalmente, pode ser consumido sem moderação. São os chamados produtos orgânicos. Pois bem, “Copy-Paste, Música Orgânica”, de Laura Finocchiaro, é o primeiro CD de “Música Orgânica” lançado no mundo. A homenagem à música de raiz brasileira foi inspirada no espírito brincante da cultura Nordestina, além da originalidade e natureza exuberantes da região. O trabalho é puro em sua composição, arranjos, instrumentação, interpretação e todo processo de mixagem e masterização.

Ciranda, embolada, frevo, forró e baião movimentam poesias e melodias que sintetizam, ilustram, ironizam, “copiam e colam” arranjos para viola, violão, sanfona, sax, alfaia, pandeiro, zabumba, triângulo e ganzá, estabelecendo conexões entre o estilo pop da música de Laura e a sonoridade regional brasileira.

“Copy-Paste, Música Orgânica”, sexto CD da artista, foi gravado no Recife com apoio artístico do maestro Spok e direção musical e arranjos de Renato Bandeira, instrumentista da “Spok Frevo Orquestra”.

Cantando suas dores e alegrias, Laura enaltece as belezas da natureza e as do povo nordestino ao mesmo tempo em que expõe e faz uma crítica à cultura da cópia, da banalização e da massificação da indústria cultural contemporânea.

De Laura Finocchiaro e Maria Cleidejane Esperidião, Copy-Paste – música que dá nome ao disco – é um autêntico “côco”. O pandeiro, a viola, o triângulo e a sanfona dão o tom da Feira de Caruaru, que serviu de inspiração para a canção. A letra faz um paralelo entre a originalidade – inspirada na diversidade da Feira -, e o contraste com a banalização da cópia generalizada, condição que fica muito clara quando o barro é substituído por matéria plástica na construção do artesanato local. Copy-Paste homenageia artistas originais como Mestre Vitalino, Luis Gonzaga, Virgulino, Dominguinhos, Oscarito e Valentino.

Na também inédita “Cirandar”, parceria com Leca Machado e João Luiz Vieira, o forró é tocado com contrabaixo, zabumba, caixa, triângulo, agogô e ganzá, além da sanfona e da viola que choram e animam a história de fé e coragem, baseada na vida dos artistas que saem de casa a procura de seus próprios sonhos.

Já Olinda, parceria com João Luiz Vieira e Renato Bandeira, é um autêntico “frevo de bloco” que tem a participação do maestro SPOK no saxofone.

A história segue por Quatro por Quatro, O Mundo Gira Sem parar, Conexão, Pandeiro de Prata e Todo Mundo pro Mundo, todas composições da artista.  Quatro por Quatro é uma ciranda inspirada no povo de São Miguel dos Milagres, município no estado de Alagoas. O Mundo Gira Sem Parar é um “côco” leve, que destaca a magia do peixe–boi. Conexão – já gravada no CD LAURAS, de 2008 – aqui ganha uma versão de baião com levada de forró. A letra traça um paralelo entre a natureza e o “jogo do bicho”. Como não poderia faltar, Pandeiro de Prata é uma declaração de amor e conta com a participação do maestro Spok ao saxofone desenhando melodias emocionantes. Todo Mundo Pro Mundo finaliza o CD com um alerta para a necessidade de união neste momento caótico, de desordem mundial.

Laura Finocchiaro atualmente está em destaque no documentário musical Lira Paulistana, do diretor Riba de Castro, que conta a história do fenômeno cultural que tomou São Paulo entre os anos de 1979 a 1986, e de onde saíram nomes como Itamar Assumpção, Premeditando o Breque (Premê), Titãs, Ná Ozzetti e a própria Laura, que estreou na casa em 1983.

No final de 2013, a artista assinou a trilha sonora do documentário “Cassandra Rios: a Safo de Perdizes”, com direção de Hanna Korich, que retrata a trajetória da escritora perseguida pela ditadura.

Laura é uma artista de personalidade inquieta e irreverente. Cantora, compositora, guitarrista e produtora musical, possui composições em parceiras com letristas e poetas como Cazuza, Tom Zé, Vitor Martins, Glauco Mattoso, Caio Fernando Abreu, Cassandra Rios, Leca Machado e João Luiz Vieira, além de composições próprias incluídas em inúmeras coletâneas distribuídas por vários países. Em 30 anos de carreira, criou uma sonoridade própria, refinada, pop e inusitada. Além de cantora, compositora e instrumentista, Laura desenvolve um trabalho de produção musical para programas de televisão (Tv Colosso, Casa dos Artistas, A Fazenda, etc.), cinema, documentários, teatros, blogs, sites e desfiles de moda.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 30 janeiro, 2014 17:10


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Dora e a Cidade Perdida

Facebook

O Clube dos Canibais
Meu Nome é Daniel