A clarinetista israelense Anat Cohen é a convidada da série Jazz Sinfônica +, no Auditório Ibirapuera

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 20 setembro, 2013 15:08

A clarinetista israelense Anat Cohen é a convidada da série Jazz Sinfônica +, no Auditório Ibirapuera

Clarinetista e saxofonista, a israelense Anat Cohen reside em Nova York e fala fluentemente o português. Curioso, se não fosse cada vez mais frequente encontrarmos músicos no cenário internacional rompendo as barreiras do idioma, levados por uma paixão comum: a música brasileira. Assim também é com a premiada artista convidada da Jazz Sinfônica – corpo artístico da Secretaria de Estado da Cultura – na série Jazz Sinfônica +, que acontece dias 20 e 21 de setembro, às 21h, no Auditório Ibirapuera.

Apaixonada por música brasileira, Cohen teve seu primeiro contato com os ritmos latino-americanos quando estudou na Berklee College of Music, em Boston. Mas foi depois de mudar-se para Nova York que a musicista estreitou seus laços com a música do Brasil. Principalmente com o choro, o samba e a bossa nova. Sobre essa influência em sua trajetória artística a própria Anat declara: “Os ritmos latinos abriram um mundo inteiro para mim e acrescentaram novas camadas de expressão em meu modo de tocar o jazz.”

Elogiada por sua performance contagiante e vencedora do prêmio de clarinetista do ano, pela Associação de Jornalistas de Jazz, por seis anos consecutivos, Cohen faz sua estreia ao lado da Jazz Sinfônica. No concerto, sob a regência do maestro Fábio Prado, a clarinetista apresenta um repertório que mistura composições autorais com grandes clássicos da MPB, como “Bebê”, de Hermeto Pascoal, e “Um a Zero”, de Pixinguinha e Benedito Lacerda.  “Este será um concerto surpreendente, entre outras coisas, pela versatilidade da Anat como instrumentista e também como compositora. Teremos a chance de conhecer várias facetas dessa grande artista”, destaca o maestro Fábio Prado.

SOBRE A JAZZ SINFÔNICA

A Jazz Sinfônica foi criada pela Secretaria de Estado da Cultura em 1989, com o intuito de resgatar as tradições das orquestras de rádio e televisão que fizeram sucesso entre os anos 1930 e 1970. Com formação bastante singular, une a orquestra dos moldes eruditos a uma big band de jazz. O resultado é uma sonoridade exclusiva, que tem lhe conferido protagonismo na criação de uma nova estética orquestral brasileira por meio de arranjos contemporâneos e únicos.

Um dos grandes nomes da orquestra, responsável por transformar as melodias populares de compositores brasileiros em arranjos sinfônicos, foi Cyro Pereira (1929-2011), maestro dos Festivais da Record dos anos 1960 e um dos fundadores do grupo, que criou o repertório fundamental do grupo e ajudou a transformá-la numa das poucas com esse formato no mundo. Depois dele, a Jazz Sinfônica formou uma equipe de orquestradores de excelência, que trabalham para a formação do seu repertório – o grupo produz, em média, 100 partituras por ano e conta com um acervo de mais de 1,4 mil delas.

Formada por 82 músicos, a Jazz Sinfônica apresenta-se em concertos regulares na capital e interior de São Paulo, em muitos com importantes convidados. Já tocou com Tom Jobim, Milton Nascimento, Gal Costa, João Bosco, Toquinho, Paulinho da Viola, Daniela Mercury, John Pizzarelli, Stanley Jordan, Gonzalo Rubalcaba, Dee Dee Bridgewater e Paquito de D’Rivera, entre outros.

O diretor artístico e regente titular da Jazz Sinfônica é João Maurício Galindo e Fábio Prado seu regente adjunto. Desde janeiro de 2012, a orquestra é administrada pela Organização Social de Cultura Instituto Pensarte.

SOBRE O MAESTRO FÁBIO PRADO

Fábio Prado iniciou seus estudos musicais em 1980 estudando trompa com o professor Mario Sérgio Rocha. Desde então desenvolveu uma larga experiência orquestral, tendo tocado nas principais orquestras brasileiras, com destaque para a Orquestra Sinfônica de Campinas (1984 – 1987), Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (1988 – 1997) e Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo (1997 – 2005). Ganhou prêmios nos concursos jovens solistas das OSESP, OSPA e OSJMSP. Foi solista das Orquestras do Estado de São Paulo, de Campinas e Jazz Sinfônica.

Em 1998 começou a estudar regência. No final deste ano, estreia como maestro convidado à frente das orquestras Jazz Sinfônica e Sinfonia Cultura. Desde 2001 tem produzido diversos arranjos para a Jazz Sinfônica e outras orquestras. Em 2005 foi maestro assistente da Orquestra Filarmônica de São Bernardo do Campo, além de tornar-se maestro adjunto da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, cargo que ocupa até hoje.

Em 2010 fez sua estreia internacional, com concertos na Argentina e na Itália recebendo críticas como a de Adriana De Serio, que escreveu: “Prado revelou um gestual essencial e incisivo, síntese de um refinado background cultural e de uma profunda sensibilidade artística.” Também neste ano rege Bixiga – Um Musical na Contramão, e por esta participação é indicado ao Prêmio Shell de Teatro 2010 e ao 3º Prêmio da Cooperativa Paulista de Teatro, ambos na categoria Música.

SERVIÇO
Jazz Sinfônica + Anat Cohen
Datas: 20 e 21 de setembro, às 21h
Local: Auditório Ibirapuera
Classificação etária: 10 anos
Duração: 90 minutos
Capacidade: 806 lugares
Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$10 (meia-entrada)
Na bilheteria do Auditório Ibirapuera e através do site da
Ingresso.com ( www.ingresso.com.br)  ou pelo telefone 4003-2330
Bilheteria: Não abre na segunda-feira.
Terça a quinta das 11h às 18h
Sexta das 11h às 22h
Sábado das 9h às 22h
Domingo das 9h às 20h
Telefone: (11) 3629-1075

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 20 setembro, 2013 15:08


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!