“Cru”, do grupo brasiliense Cia Plágio de Teatro, em curta temporada no Sérgio Porto

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 5 julho, 2013 13:06

“Cru”, do grupo brasiliense Cia Plágio de Teatro, em curta temporada no Sérgio Porto

“Em sua concepção enxuta, a premiada criação impressiona pela tensão crescente, até o último minuto, em meio a silêncio e perturbações abruptas”, assim a seção Indica da Revista Bravo!  apresentava Cru”, em sua edição de fevereiro, ocasião em que a peça esteve em cartaz em São Paulo.

Pelas mais de 50 cinquenta cidades por onde passou, incluindo Milão – a convite do Consulado Brasileiro nas comemorações do 50º aniversário de Brasília – o espetáculo da brasiliense Cia Plágio de Teatro tem angariado prêmios e elogios da crítica e público desde sua estreia, em 2009, pelo tom contundente e trio de atores em atuação impecável, que agora estreia no Rio de Janeiro, no Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto, de 18 a 21 de julho.

O texto de Alexandre Ribondi, que assina também a direção junto com Sergio Sartório, narra o perigoso encontro entre o forasteiro evangélico Zé (Chico Sant’Anna), o violento pistoleiro de aluguel Cunha (Sérgio Sartório), e o travesti chamado de Frutinha (Vinicius Ferreira), dono de um açougue à beira de estrada nos confins do Brasil Central. É lá que o forasteiro chega para contratar os serviços de um matador de aluguel. E, em meio a pedaços de carnes, gotas de sangue no chão, cachaças baratas, facas afiadas e perguntas aparentemente inocentes de Frutinha que um acerto de contas traz à tona lembranças do passado.

A história faz explodir em cena umas das grandes questões do mundo pós-moderno, a violência, e suas variantes, como a banalização da vida, vingança e o ódio social. Para Ribondi, é uma tentativa de compreensão da maldade. “Não tratamos a violência com motivações sociais, com raízes na desigualdade ou na opressão financeira. Trata-se da crueldade plantada na alma. A peça pretende buscar novas respostas para a questão da violência, a partir de uma lente colocada sobre essas três personagens em cena”, explica.

O espetáculo já circulou por cerca de 50 cidades desde a estreia, fez temporada em Milão (Itália) a convite do consulado brasileiro no ano do 50º aniversário de Brasília e foi adaptada para o cinema por Jimmi Figueiredo. O filme faturou os prêmios de Melhor Longa-metragem (Festival de Cinema de Brasília, 2011), Melhor Filme de Ficção, Melhor Ator, Melhor Direção de Arte e Melhor Trilha Sonora (Festival de Cinema Guarnicê, MA, 2012) e Melhor Ator (Festival de Cinema de Maringá, PR, 2012).

Encenação

A partir do enredo tenso e do minimalismo nos recursos cênicos, a montagem transfere à encenação o papel da densidade atmosférica e da verossimilhança, gerando reflexões que ultrapassam o regionalismo e tratam de problemas enfrentados pelos grandes centros urbanos. A encenação é voltada para valorizar o texto e a interpretação dos atores. O cenário é objetivo, com poucos elementos cênicos. A luz é estática e naturalista. Acende no início e apaga-se no final, sem outras utilizações durante a apresentação. Também não há trilha sonora, só o som das facas, garrafas, copos e a respiração cadenciada dos fortes diálogos. O figurino veste os atores em tons crus. “O conceito da encenação nasceu a partir do título da obra: Cru. A ação dramática acontece em tempo real e em um único lugar, o açougue de Frutinha. O texto exige dos atores um mergulho profundo e pessoal nas personagens, para que a atuação seja completamente verdadeira”, explica Sérgio Sartório. 

Raio X dos personagens

Os personagens possuem sotaques diferentes e evidenciam suas origens. Frutinha é o dono do estabelecimento onde os três se encontram. Um travesti astuto e perigoso que por meio de perguntas aparentemente ingênuas, investiga o real motivo da presença do forasteiro. Com a chegada de Cunha, as perguntas tornam-se mais perspicazes levando-a a desvendar a trama. “Frutinha é uma figura híbrida que transita com agilidade e astúcia entre o feminino e o masculino. O desfecho faz dele uma espécie de oráculo desse faroeste caboclo”, conta o ator Vinicius Ferreira.

Zé é o forasteiro que procura os serviços do matador de aluguel Cunha. Ele se mostra uma pessoa contida, mas fica incomodado com a presença de Frutinha. “O Zé cometeu um grave erro no passado por conta de um amor doentio. E agora erra novamente em sua tentativa de redenção. Não concordo com seu modo de agir, mas não o condeno. Considero que ele também é uma vítima da violência, embora ele ache que ao se tornar um evangélico sua culpa desaparecerá”, fala Chico Sant’Anna.

Cunha é o vértice deste triângulo. É nele que as histórias se cruzam. “Ele é o anti-herói, é o cara que nos faz querer entender o que pode tornar um ser – humano violento. É o personagem mais difícil e prazeroso que já construí”, comenta Sartório. 

Prêmios              

“Cru” recebeu diversos prêmios, entre eles: Prêmio SESC do Teatro Candango (Melhor Ator, Melhor Figurino, Melhor Espetáculo, Melhor Direção e Melhor Dramaturgia), XVII Festival de Teatro do Rio (Melhor Texto, Melhor Ator e Melhor Figurino), II Festival Nacional de Teatro de Goiânia (Melhor Ator Coadjuvante, Melhor Maquiagem e Segundo Melhor Espetáculo) e XII Festival de Teatro de Americana (Melhor Espetáculo, Júri Popular), além de ter se apresentado no Teatro Dei Filodrammatici di Milano, na Itália.

Sinopse do espetáculo

Totalmente ambientado em um açougue de beira de estrada em cidade do interior do Brasil, “Cru” narra a história de Cunha e sua amiga de infância, o travesti Frutinha, que é a dona do açougue. Um forasteiro de nome Zé, vindo de Brasília, chega ao local à procura de Cunha, de quem ouviu falar ser competente no que faz. Frutinha tenta, com perguntas aparentemente inocentes, saber o verdadeiro motivo da chegada de Zé. Finalmente, Zé e Cunha se encontram. Observados permanentemente por Frutinha, os dois acertam os detalhes do serviço a ser contratado. Durante a conversa que têm, lembranças, memórias e antigas dívidas vêm à tona, para desaguar num surpreendente final.

SERVIÇO
“Cru” – Cia Plágio de Teatro
Local: Espaço Cultural Municipal Sérgio Porto
Estréia: 18 de julho, quinta
Temporada: de 18 a 21 de julho, de quinta a domingo
Horário: quinta a sábado, às 21hs l Domingo, às 20hs
Sessões extras: sábado às 19hs e domingo às 18hs
Endereço: Rua Humaitá, 163, Humaitá – 2266-0896
Gênero: drama
Preço: R$ 20 (inteira)
Classificação: 16 anos
Duração: 50 minutos

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 5 julho, 2013 13:06


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Aprendiz de Espiã

Facebook