The Strokes | “Comedown Machine” e sua sonoridade oitentista: confira crítica do último álbum da banda

Felippe Alves
Por Felippe Alves 5 abril, 2013 12:00

The Strokes | “Comedown Machine” e sua sonoridade oitentista: confira crítica do último álbum da banda

Depois da tão longa Frequência Não Modulada da semana passada, essa sexta-feira será mais tranquila, prometo. Nada de chá de cadeira em vocês. A coluna de hoje vai ser sobre o retorno dos Strokes à indústria fonográfica e, claro, aos nossos ouvidos. Porque afinal, eles (nossos ouvidos) merecem.

Ao contrário do Is This It (2001), primeiro álbum da banda, cujo hype foi tanto, que chegaram a dizer que eles “salvaram” o rock, o Comedown Machine não tem nada de cru, nada daquela sonoridade acelerada de garagem que logo associamos aos nova yorkinos. Pelo contrário: o quinto disco de inéditas dos caras tem uma pegada oitentista. Sabe aquele pop a la A-Ha e Human League? Então. Antes de mais nada, o disco completo:

Comedown-Machine1

Essa sonoridade que a banda resolveu flertar é bem interessante e, diria, inusitada. E o legal é que, ainda com essa mudança, o disco ainda soa muito Strokes, se é que me entendem. Essa mudança meio que já tinha começado no disco anterior, Angles (2011), onde notava-se facilmente uma influência de New Order, é uma mistura entre rock e música eletrônica. Não impressionou tanto. Diferente desse. No “Comedown”, isso só se tornou mais claro. Assim como no disco solo do vocalista, Julian Casablancas, Phrazes for the Young (2009), que leva o rock pras pistas.

O clima entre os integrantes no “Comedown” soa bem mais ameno. É que durante a produção de Angles, Casablancas gravou todas as partes dele separadamente do restante da banda. Clima pesado. Já no disco novo, eles parecem se divertir. Nada de rixas. Realmente combinando com o som alegre e dançante que o disco propõe. Sério, desde Room on Fire (2003), que não ouvimos um disco tão viciante.

strokes

O disco abre muito bem, com Tap Out, com uma guitarra distorcida, que serve como uma prelúdio da sonoridade que vem pela frente. Nessa faixa, Julian canta em falsete, assim como em Partners in Crime que, pra mim, soa muito Phoenix (ouça a faixa Lisztomania e vai sacar de cara o que estou falando).

Agora, vamos combinar que a cara de espanto que os fãs da banda fizeram quando vazou One Way Trigger foi excelente. Dá vontade de rebobinar a fita várias vezes, sério. O teclado sintetizador de fundo logo nos remeteu a duas coisas: a videogames e ao A-Ha. Mas também foi muito comparada ao (pasmem) tecnobrega, algo como Strokes feat Gaby Amarantos (?!?!?!). Se você tinha dúvidas da mudança do som dos caras, agora não tem mais.

Mas o álbum também nos faz lembrar do começo de tudo, sabe? All The Time e Chances é bem aquele momento “de volta ao básico” do disco. Welcome to Japan soa aquele David Bowie dos anos 80, do disco Let’s Dance. Na faixa 50/50, eles provam que conseguem soar como na década passada. A faixa 80’s Comedown Machine é melancólica e reflete como nenhuma outra faixa o amor de Julian pela década. Happy Ending… Como eu posso colocar aqui?… Tem esse ar de “quebrar regras” e é uma faixa demasiada divertida. Call It Fate, Call It Karma é introspectiva. Resumiria como um bom desfecho.

artworks

Este é o interessante desse novo disco dos Strokes. Não precisa ouvir muito pra curtir o som. É facilmente digerível. Quem esperava um novo Is This It… bem, não foi tão frustrante assim. Assim como eles cresceram, sua música também mudou. Só porque eles estão mais “tranquilos”, não quer dizer que eles não são mais capazes de fazer música boa. O Comedown Machine super prova isso. Diferente de artistas atuais que parecem fazer a mesma música várias vezes. Reinvenção. Mas sem se descaracterizar.

Felippe Alves
Por Felippe Alves 5 abril, 2013 12:00


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*