Restauro em Brodowski, interior de São Paulo, garante preservação de afrescos pintados por Candido Portinari

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 19 março, 2013 18:11

Restauro em Brodowski, interior de São Paulo, garante preservação de afrescos pintados por Candido Portinari

Um cuidadoso trabalho de restauro em Brodowski, interior de São Paulo, vai garantir a preservação da casa em que o pintor Candido Portinari viveu toda sua infância e parte da juventude, e onde passava longas temporadas, hoje sede do Museu Casa de Portinari. O primeiro passo deste trabalho começou em dezembro e consiste na injeção de calda de cimento para consolidação do solo e estabilização das fundações da frágil residência, construída há mais de 100 anos com técnica e material muito rudimentares.

Tanto cuidado tem o objetivo de garantir a preservação de um tesouro da arte brasileira: afrescos e têmperas pintados por Portinari diretamente nas paredes do imóvel. A obra é uma iniciativa do Governo do Estado de São Paulo, proprietário do Museu, que está investindo cerca de R$ 2 milhões neste trabalho.

A injeção de calda de cimento no solo tem o objetivo de estabilizar a estrutura da residência. Construída com fundações muito superficiais, ela é especialmente sensível ao crescimento da cidade, ao tráfego de veículos nas ruas do entorno e ao assoreamento do solo causado pelo escoamento de águas pluviais. Para garantir que estes fatores não provoquem rachaduras nas paredes – e, portanto, nos afrescos – operários usam uma máquina para injetar cimento abaixo das fundações da casa.

A pressão do equipamento faz com que os espaços vazios no solo sejam preenchidos pelo material, formando uma espécie de raiz que elimina os riscos de rachaduras por movimentação desigual das fundações. Uma cobertura de lona tensionada foi especialmente fabricada para proteger a casa, o que vai possibilitar a remoção do telhado para recuperação e, ao mesmo tempo, garantir que não haja incidência de chuva ou sol nos afrescos.

Todo o trabalho está sendo acompanhado por técnicos do Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo) e pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), uma vez que a casa é tombada nas duas esferas. O serviço deverá durar pelo menos 15 meses. Enquanto isso, o Museu continua realizando atividades educativas em espaços alternativos da cidade de Brodowski.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 19 março, 2013 18:11


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Dora e a Cidade Perdida

Facebook

O Clube dos Canibais
Meu Nome é Daniel