MIS Campinas terá programação especial de cinema em comemoração ao Dia do Índio

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 16 abril, 2012 10:31

MIS Campinas terá programação especial de cinema em comemoração ao Dia do Índio

Começa hoje (16/04) na cidade de Campinas, em comemoração ao Dia do Índio (19/04), uma programação muito especial de cinema que ocorrerá no Museu da Imagem e do Som de Campinas (MIS). A mostra “Semana do Índio – Cineastas indígenas” promete trazer ao público presente diversos curtas-metragens que abordam esta temática, além de tentar resgatar a cultura e os costumes indígenas e aproximar, principalmente, as novas gerações dos mais antigos habitantes do Brasil.

A realização do projeto é de autoria do projeto Vídeo nas Aldeias, Ponto de Cultura Vídeo nas Aldeias e Programa Cultura Viva – MINC, a “Semana do Índio – Cineastas indígenas” tem curadoria de Célio Turino e ocorre de 16 a 19 de abril, com entrada gratuita.

Na programação serão exibidos 10 curtas-metragens que mostraram um pouco da riquíssima cultura de cinco povos diferentes. No ultimo dia da programação (19/04) após as ultimas seções haverá uma palestra, intitulada “Cineastas indígenas – os índios por eles mesmos”, com o historiador do MIS, Célio Turino.

Confira abaixo a programação completa

16/abril – 19 h – HUNI KUI

Xinã Bena ( Novos Tempos) 2006 – 52 min

Sinopse: Dia- a- dia da aldeia Huni Kui de São Joaquim, no estado do Acre. Augustinho, Pajé patriarca da aldeia, sua mulher e seu sogro relembram o cativeiro nos seringais e festejam os novos tempos. Agora, com as terras demarcadas, eles podem ensinar suas tradições.

Huni Meka ( Os cantos do cipó ) 2006 – 25min
Sinopse: Uma conversa sobre cipó ( aiauasca) , “miração” e cantos. A partir de uma pesquisa do Professor Isaías Sales ibâ sobre os cantos do povo Huni Kui, os índios resolvem reunir os mais velhos para gravar um CD e publicar um livro.

17/abril – 19 h – ASHANINKA


Shomõtsi 2001 – 42 min

Sinopse: Crônica do cotidiano d Shomõtsi, um Ashaninka da aldeia Apiwtxa no rio Amônia, Acre, na fronteira do Brasil com o Peru. Professor e um dos cineastas da aldeia, Valdete retrata o seu rio, turrão e divertido.

A gente luta mas come fruta 2006 – 39 min

Sinopse: O manejo agroflorestal realizado pelos Ashaninka de Apiwtxa. No filme eles mostram seu trabalho para recuperar os recursos da sua reserva e repovoar seus rios e suas matas com espécies nativas; e também sua luta contra os madeireiros que invadem sua área na fronteira com o Peru.

18/abril – 19 h – XAVANTE


Wapté Mnhõnõ ( A iniciação do jovem Xavante ) – 1999 – 52 min


Sinopse: Wapté Mnhõnõ, o ritual de iniciação do guerreiro Xavante exige atenção de toda a aldeia, e paciência e disciplina dos meninos. No final, a furação de orelhas sacramenta a sua passagem para a vida adulta. Quatro cineastas Xavante e um Suyá realizam esta produção.

Wai’ã Rini ( O Poder do Sonho ) – 2001 – 48 min

Sinopse: A iniciação espiritual do jovem Xavante se dá na festa do Wai’ã. Depois de muitas provações os meninos desmaiam e sonham, entrando em contato com o mundo dos espíritos. O diretor Divino Tserewahú revela o que pode ser mostrado desta festa secreta dos homens.

19/abril – 19 h – PANARÁ

Kiarãsã Yõ sãty ( O amendoim da cutia ) – 2005 – 15 min

Sinopse: O cotidiano da aldeia Panará na colheita do amendoim, apresentado por um jovem professor, uma mulher pajé e o chefe da aldeia, numa mescla de tradição e modernidade.

Priara Jô ( Depois do ovo, a guerra ) – 2008 – 15 min

Sinopse: As crianças Panará apresentam seu universo e dia de brincadeiras na aldeia. O tempo da guerra acabou, mas ainda continua vivo no imaginário das crianças.

19/abril – 19 h – KUIKURO

Imbé Gikegü ( O Cheiro de pequi ) – 2006 – 36 min

Sinopse: Ligando o passado ao presente, os realizadores Kuikuro contam uma história de perigos e prazeres, de sexo e traição, onde homens e mulheres, beija-flores e jacarés constroem um mundo comum.

Nguné Elü ( O dia em que a lua menstruou ) – 2004 – 28 min

Sinopse: Durante uma oficina de vídeo na aldeia Kuikuro, no alto Xingu, ocorre um eclipse. De repente tudo muda. Os animas se transformam. O sangue pinga do céu como chuva. É preciso cantar e dançar.

Serviço

Museu da Imagem e do Som de Campinas (MIS).

Palácio dos Azulejos.

Rua Regente Feijó, 859, Centro
(19) 3733-8800
Entrada: gratuita

*As informações são de responsabilidade de seus organizadores e estão sujeitas a alterações sem aviso prévio.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 16 abril, 2012 10:31


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!