Exposição No ateliê de Portinari (1920-1945) aborda o período de formação do ícone da pintura modernista brasileira

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 15 julho, 2011 04:49

Exposição No ateliê de Portinari (1920-1945) aborda o período de formação do ícone da pintura modernista brasileira

O Museu de Arte Moderna de São Paulo abre no dia 14 de julho (quinta-feira), a partir das 20h, a exposição No ateliê de Portinari (1920-1945), que aborda o período de formação do ícone da pintura modernista brasileira por meio de cerca de 90 obras, além de fotos e documentos que apresentam a trajetória do início da carreira do artista de Brodowski.

 

A mostra não é uma retrospectiva do pintor. Foi concebida a partir de alguns recortes no âmbito de sua produção, que contemplam o período de formação, entre o Rio de Janeiro e Paris; a prática de um gênero como o retrato; a decisão de dedicar-se à criação de “grandes telas, com muitas figuras agrupadas em enormes composições, com estruturas variadas”, provocada pela visão das obras de Paolo Veronese (1528-1588) na National Gallery de Londres em 1929; a realização de trabalhos de porte monumental para o Ministério da Educação e Saúde (Rio de Janeiro, 1936 – 1944), a Fundação Hispânica da Biblioteca do Congresso (Washington, 1941), a igreja de São Francisco de Assis da Pampulha (Belo Horizonte, 1944-1945); algumas experiências com a abstração, apesar das críticas feitas por Portinari a uma arte que fugia do assunto.

 

Embora haja na exposição a presença de obras emblemáticas da produção de Portinari, como Retrato de Maria (1932), Domingo no morro (1935), Paisagem de Brodowski (1940), Sapateiro de Brodowski (1941), Criança morta (1944), o percurso proposto pela curadoria articula-se a partir de diversos conjuntos, que permitem compreender seus procedimentos de trabalho. Tais processos podem envolver a “repetição diferente” de temas e figuras ou estudos aprofundados de um determinado assunto, cujo resultado são projetos de dimensões bem variadas, como comprovam os “Ciclos econômicos” (1936-1944) do Ministério da Educação e Saúde.

 

Ao lado de trabalhos bastante conhecidos do pintor, a mostra apresentará obras pouco divulgadas como Meu primeiro trabalho (c. 1920), Retrato do poeta Olegário Mariano (1926), Nu (1930), Roda infantil (1932). Serão ainda expostos três conjuntos significativos de estudos preparatórios para os projetos monumentais, pouco conhecidos pelo grande público, sobretudo no caso da Fundação Hispânica e da igreja de Belo Horizonte.

 

::: Serviço :::

Exposição No ateliê de Portinari (1920-1945) (Grande Sala)
Curadoria: Annateresa Fabris
Abertura: 14 de julho de 2011 (quinta-feira)
Visitação: 15 de julho a 11 de setembro de 2011
Local: Museu de Arte Moderna de São Paulo
Endereço: Parque do Ibirapuera (av. Pedro Álvares Cabral, s/nº – Portão 3)
tel (11) 5085-1300
Horários: Terça a domingo, das 10h às 17h30 (com permanência até as 18h)
Ingresso: R$ 5,50
Sócios do MAM, crianças até 10 anos e adultos com mais de 65 anos não pagam entrada. Aos domingos, a entrada é franca para todo o público, durante todo o dia
Agendamento gratuito de visitas em grupo pelo tel. 5085-1313 e email educativo@mam.org.br

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 15 julho, 2011 04:49


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Aprendiz de Espiã

Facebook