Exposição “Roberto Carlos – O Artista e seu Público” se encerra dia 27/05, confira.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 23 maio, 2011 21:50

Exposição “Roberto Carlos – O Artista e seu Público” se encerra dia 27/05, confira.

Se encerra essa semana (27/05) a exposição Roberto Carlos – O Artista e seu Público. O artista mais popular do país é Roberto Carlos, o cantor e compositor cuja obra é uma espécie de trilha sonora de todos os brasileiros. Seus 50 anos de carreira, em 2010, e os 70 anos de idade que comemora no próximo 19 de abril, são motivos mais do que suficientes para a exposição Roberto Carlos – O Artista e seu Público, que será inaugurada em 11 de abril, no Espaço Cultural Citi na Avenida Paulista, 1111.

Segundo o curador Jacob Klintowitz, o conceito da mostra é “apresentar Roberto Carlos na ação de um artista: com a orquestra, com colegas, cantando, no palco, sob as luzes nos show, frente a milhares de admiradores. Ele é tratado como um homem que elevou a sua atividade ao nível mais alto e como isto teve a aceitação e o amor de uma população. Roberto Carlos estará representado em 40 fotos que retratam momentos de sua carreira, desde o início da Jovem Guarda até os dias de hoje. Além das fotos, uma pequena obra de arte: um díptico pintura/objeto de 1976 da artista Maria Helena Chartuni no centro do qual está o jovem Roberto Carlos.

A exposição Roberto Carlos – O Artista e seu Público vai ocupar o Espaço Cultural Citi, a galeria de arte da Avenida Paulista, entre 11 de abril e 27 de maio.

O Espaço Cultural Citi é uma galeria pública visitada mensalmente por cerca de 50 mil pessoas que trafegam pela Avenida Paulista e região. O espaço mantém a sua vocação de mostrar obras de arte no centro vital de São Paulo. Desde 2005, passaram por ali as obras de nomes consagrados, como Rubens Gerchman, Luiz Paulo Baravelli, Gregório Gruber, Romero Britto, Newton Mesquita, Odetto Guersoni, Ivald Granato, Takashi Fukushima, Caciporé Torres, Sérgio Lucena, Antonio Peticov, Maurício de Sousa, Claudio Tozzi, Marcello Nitsche, Odilla Mestriner, Aldemir Martins e Shoko Suzuki, além de jovens que se firmam como Luciana Maas, Maurício Parra, Carola Trimano e Manu Maltez.

O Espaço Cultural Citi (Av. Paulista, 1111, térreo, fone 11.4009.3000) fica aberto para visitação de segunda a sexta-feira, das 9 às 19 horas; aos sábados, domingos e feriados, das 10 às 17 horas. Acesso a pessoas com deficiência física pela Alameda Santos, 1146. A entrada é gratuita.

Mais informações sobre o CitiBrasil em www.citi.com.br / flickr.com/CitiBrasil / Twitter @CitiBrasil e no Foursquare.

Roberto Carlos – o artista e seu público, por Jacob Klintowitz

A luz do holofote, com tons de azul, incide sobre ele. Os músicos por um momento estão obscurecidos, distantes do foco luminoso. A platéia está em silêncio, expectante. Roberto Carlos segura pela haste o microfone de pé, inclina-o, aproxima-o, e começa a cantar. A voz, que todo o país conhece, é afinadíssima, entoa a canção num tom que parece baixo e intimo. Muitas pessoas suspiram e se mexem, como se a tensão se esvaziasse, e há um visível encantamento no público: o cantor e as pessoas, o artista e o seu público, estão juntos novamente e respiram o mesmo sentimento e aspiram a mesma vontade, estarem integrados no mesmo universo, o invisível, mas perceptível, mundo da qualidade da arte.

Roberto Carlos, o cantor de histórias e vivências cotidianas, elevou o seu ofício à mais alta qualidade. Não apenas ele é senhor da divisão das frases e do espaço rítmico, como tem pleno conhecimento de suas características pessoais, de suas qualidades, limites e potencialidades. E é disto de que se vale, pois um artista trabalha com a abundância e a carência, e tanto maior será quanto mais souber transformar o seu ser num instrumento de fazer arte. Esta é a doação que um artista pode fazer. E é, provavelmente, isto o que o público de Roberto Carlos mais sente, o exemplo da qualidade possível que a dedicação pode alcançar. E o gesto de doação do artista, que se entrega a cada vez, como se dissesse, por sua simples atitude, que ama o público. E, com naturalidade, o público retribui da única maneira possível, com igual amor.

Em todas as manifestações artísticas, eruditas ou populares, não importa, o fenômeno do auto-aperfeiçoamento e da doação é sempre o mesmo, e penso que o imenso desprendimento necessário para aumentar a qualidade de sua arte e a doação ao público, sejam duas faces da mesma moeda. É curioso observar o percurso deste artista, desde o surgimento restrito, até a plena aceitação. Começou com ritmos sincopados e fortes e com a expressão sem disfarces de sentimentos individuais e, no seu apogeu, tornou-se o cantor romântico que cria e canta baladas de sentimentos universais. E este percurso é assinalado pela constante e continuada conquista da qualidade do seu instrumento, ele próprio.

Serviço.

Espaço Cultural Citi

Av. Paulista, 1.111, térreo – Cerqueira CésarTelefone: 4009-3000.

Não tem área para fumantes. Não aceita reservas. Tem ar-condicionado. Grátis. Tem acesso para deficiente. Não tem local para comer.

Rafael Guirra
Por Rafael Guirra 23 maio, 2011 21:50


Escreva um comentário

Nenhum comentário

Ainda não há comentários!

Não existem comentários ainda, mas você pode ser o primeiro a comentar este post.

Escreva um comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Dora e a Cidade Perdida

Facebook

O Clube dos Canibais
Meu Nome é Daniel