Tron: O Legado ( Tron: Legacy ) A sequência de um Cult.

Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 3 janeiro, 2011 09:15

Tron: O Legado ( Tron: Legacy ) A sequência de um Cult.

Mesmo após quase três décadas do seu lançamento Tron – Uma Odisseia Eletrônica (1982), até hoje pode ser considerado um (senão dizer o maior) marco da ficção científica na história do cinema.

Na época poucos conseguiram realmente compreender a mensagem real que o filme quisera passar. Chamou muito mais atenção apenas por sequências de efeitos visuais extraordinárias. Apenas alguns anos do seu lançamento, o filme veio a se tornar realmente um cult cinematográfico. Não apenas pelo lado visual revolucionário (claro para época 1982 lembre-se disso sempre que assisti-lo), mas também pela forma como ele lidava com a tecnologia. Muitos diálogos eram totalmente incompreensíveis para o público em geral, pois falavam em hardware, mainframe e termos muito técnicos que só chegariamos a conhecer anos mais tarde. Termos enigmáticos para os tempos pré-computadores pessoais.

Com uma trama simples, sem apresentar novidades nessa parte. Mas com qualidades visuais fantásticas para época.

Isso foi alguns dos pontos que fizeram Tron – Uma Odisséia Eletrônica (1982) ser aclamado até hoje, não somente para o púbico nerd, mas para todos os adoradores da tecnologia.

Tron: O Legado (Tron: Legacy) 2010, com direção do novato Joseph Kosinski que mostra que não estava preparado totalmente para a tarefa de direção do mesmo talvez ai seja o grande problema da película, não se difere muito de seu antecessor aonde privilegia a plasticidade das imagens em detrimento do roteiro. Usa da mesma idéia inicial, roteiro simples mas com uma ambientação e os efeitos visuais tão fantásticos que digamos que esse detalhe passe despercebido. Claro que atualmente, o mundo pós Avatar, fica muito difícil causar o mesmo impacto de seu primeiro. Algum desses feitos especiais memoráveis chama muito atenção como o processo de rejuvenescimento de Jeff Bridges ficou primoroso. Claro que em alguns momentos, como em closes, fica nítido o tratamento em CG.

Mesmo com falhas evidentes no roteiro, Tron: O Legado (2010) cumpre o que promete ao público. Claro que diálogos tão superficiais deveriam ser mais trabalhados e também os personagens poderiam ser bem mais aproveitados e explorados, deixando dessa forma muito mais complexo e fascinante.

As cenas de ação, principalmente os duelos da grade e as de moto são empolgantes, é muito alucinantes. A fotografia ajuda muito nesse quesito, os efeitos especiais e a trilha sonora também. Fica muito, mas muito difícil mesmo o público não gostar dessas cenas, que encantam logo nas primeiras aparições.

O roteiro começa após 20 anos do desaparecimento de Kevin Flynn (Jeff Bridges), Sam Flynn (Garrett Hedlund), filho dele, é avisado por Alan Bradley (Bruce Boxleitner) que o mesmo recebeu um bipe do escritório de seu pai. Sam entra no sistema após recriar os últimos comandos do seu pai, com isso ativa a digitalização por laser que o leva para dentro do Grid, nome dado para um domínio virtual que seu pai trabalhou por anos buscando a interação entre os dois mundos. Ao chegar ao Grid, Sam é obrigado a participar de jogos mortais e descobre que Clu, um programa que seu pai criou e logo depois veio a trair, é o comandante do domínio. Assim a busca por Kevin Flynn se torna muito perigosa e mortal.

Com esse roteiro e seus evidentes problemas, os atores fazem o que podem, o longa conta como protagonista Garrett Hedlund como Sam Flynn aonde não compromete mas também não empolga nem um pouco e demostra ao longo do filme que visivelmente não está pronto para carregar um filme desses nas costas, filho de Kevin Flynn personagem resgatado com maestria por Jeff Bridges que consegue ficar confortável na volta após tanto tempo de seu personagem.

Destaque nas atuações para Michael Sheen (dublador do coelho de Alice no País das Maravilhas de Tim Burton) está brilhante como Castor, um dos mais complexos e interessantes personagens da trama aonde ele surta totalmente na pele do mesmo como dono de boate, mostrando ótimo talento para interpretar um vilão totalmente maluco, mas sofre dos problemas citados acima, falta de explorar mais esses personagens paralelos. Olivia Wilde (a Thirteen do seriado House) interpreta Quorra com além de sua beleza natural, com muito talento e graça para o personagem.

Sem dúvida alguma o maior destaque do filme, digo que até mais que os efeitos visuais e personagem envolvidos na telona, fica a para participação primorosa do duo francês Daft Punk, que garantiu um espetáculo a parte. Eles conseguiram dar vida e a intensidade do filme com a trilha sonora. Algo tão fantástico, harmônico e claro ótimo de se ouvir que fizeram por merecer sem dúvida alguma suas presenças nas telonas (techo no vídeo abaixo). Uma trilha sonora explosiva, empolgante do começo ao fim. Vindo de Daft Punk não poderíamos esperar nada menor que isso.

O visual da película no geral e claro a magnifíca disputa de motos (algo belíssimo de se ver) e a empolgante trilha sonora já fazem valer o ingresso por si só com toda certeza, totalmente excitantes.

Tron: O Legado (Tron: Legacy) vai empolgar sim os seus seguidores mais nostálgicos, mas podemos dizer que fica o gosto de que poderia ter sido entregue em mãos mais talentosas.

———————————————————————————————————


Luiz Guirra
Por Luiz Guirra 3 janeiro, 2011 09:15


Escreva um comentário

1 Comentário

  1. Mario agosto 18, 17:07

    Antes de comentar sobre esse surpreendente post, irei falar sobre a incrível qualidade do seu blog. Afinal achei o que precisava conhecer sobre isso de uma forma concisa e exata. Virei seu fã e falarei com meus conhecidos sobre seu blog. Continue assim!

    Responder a esse comentário
Leia os comentários

Escreva um comentário

O seu endereço de email não será publicado.
Campos obrigatórios são marcados*

Era uma vez em Hollywood

Facebook

Socorro Virei uma Garota!